Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Avaria nos microfones obriga quatro testemunhas da Operação Marquês a repetir declarações

O interrogatório das quatro testemunhas do processo Operação Marquês realizado em 29 de abril vai ser repetido em 10 de maio devido a uma avaria nos microfones da sala de audiências do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Ricardo Castelo
Lusa 02 de Maio de 2019 às 17:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Fonte oficial do tribunal disse à agência Lusa que as testemunhas Domingos Farinha, alegado escritor-fantasma do ex-primeiro ministro José Sócrates; a sua mulher, Jane Kirby; o blogger António Peixoto e o seu filho, António Mega Peixoto, vão voltar ao tribunal na tarde de 10 de maio devido a uma avaria nos microfones da sala detetada quando o som estava a ser gravado em CD.

 

Segundo o Ministério Público, Domingos Farinha, professor da Faculdade de Direito, é o verdadeiro autor do livro de Sócrates "A Confiança no Mundo", pelo qual recebeu cerca de 100 mil euros através da empresa do arguido Rui Mão de Ferro, sócio e administrador de várias empresas do universo empresarial de Carlos Santos Silva, outro dos arguidos.

 

A notícia da repetição da diligência foi avançada pelo jornal 'online' Observador.

 

O inquérito Operação Marquês, que teve início há mais de cinco anos, culminou na acusação a 28 arguidos, 19 pessoas e nove empresas, e investigou a alegada prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira.

 

José Sócrates está acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.

 

Entre outras imputações, o Ministério Público acusa Sócrates de receber cerca de 34 milhões de euros, entre 2006 e 2015, a troco de favorecimentos a interesses do ex-banqueiro Ricardo Salgado no Grupo Espírito Santos e na PT, bem como para garantir a concessão de financiamento da Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento de luxo Vale do Lobo, no Algarve, e por favorecer negócios do Grupo Lena.

 

Entre os 28 arguidos estão também Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, Armando Vara, Bárbara Vara, Joaquim Barroca, Helder Bataglia e Gonçalo Ferreira, empresas do grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) e a sociedade Vale do Lobo Resorts Turísticos de Luxo.

 

Ver comentários
Saber mais Jane Kirby Domingos Farinha José Sócrates professor da Faculdade de Direito António Mega Peixoto Vale do Lobo Resorts Turísticos de Luxo
Outras Notícias