Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bacelar Gouveia diz que Maria Luís pode levar "segredos de Estado" para a Arrow Global

O constitucionalista social-democrata diz que é pouco relevante se a ex-ministra vai ter, ou não, um papel executivo na empresa britânica, e critica uma eventual saída do Parlamento, "renegando a confiança" dos eleitores.

Paulo Zacarias Gomes paulozgomes@negocios.pt 04 de Março de 2016 às 13:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia considerou esta sexta-feira, 4 de Março, que Maria Luís Albuquerque se colocou numa situação "bastante grave" ao aceitar o convite para ser administradora não-executiva da Arrow Global e que existe o risco de levar consigo para a empresa "segredos de Estado".


"A situação em que ela se colocou é bastante grave. (…) A estrita incompatibilidade pode não se aplicar, mas tendo terminado funções de ministra e deputada tem segredos de Estado, que são também económicos e financeiros. Passa para a actividade privada e leva segredos estratégicos de Estado", defendeu o também militante do PSD, em declarações esta manhã na RTP3.


Bacelar Gouveia levantou mesmo a hipótese de, se essa matéria confidencial ser usada a favor da companhia, o caso poder ser alvo de investigação criminal. "Esta empresa que contratou Maria Luís Albuquerque não a contratou por ser cidadã, mas por ter sido ministra das Finanças", defendeu, argumentando que ser ou não ser administradora executiva "não parece muito relevante".


O constitucionalista critica ainda o facto de, politicamente, a deputada saia no início do mandato no Parlamento para ir trabalhar para o estrangeiro, "renegando a legitimidade e a confiança" dos eleitores. "Lamento, até como militante do PSD, que de repente abandone funções", disse.

Maria Luís Albuquerque fez bem em aceitar o cargo de administradora da Arrow Global?

Depois do coro de críticas que de levantou nas bancadas de Bloco, PCP e PS, esta quinta-feira à noite também Manuela Ferreira Leite, ex-ministra das Finanças, censurou a decisão da social-democrata, dizendo que houve ausência total de bom-senso da parte de Maria Luís Albuquerque.


O PSD veio ao final desta manhã defender a posição da ex-ministra de Passos Coelho, dizendo que não há nada na lei que impeça esta contratação, que o assunto está a ser usado como arma de arremesso político e que Maria Luís está disponível para esclarecer a subcomissão de Ética da Assembleia da República. Ontem, Passos Coelho recusou falar do assunto.


Maria Luís Albuquerque deverá ser, a partir da próxima segunda-feira, administradora não-executiva do grupo britânico Arrow Global, que comprou créditos ao Banif numa altura em que já se tinha dado a intervenção do Estado e em que Albuquerque era secretária de Estado do Tesouro. 

Ver comentários
Saber mais Jorge Bacelar Gouveia Maria Luís Albuquerque PSD Arrow Global Manuela Ferreira Leite Banif Passos Coelho parlamento política economia negócios e finanças
Outras Notícias