Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banco de Inglaterra mantém taxa de juro nos 0,5%

O banco central britânico decidiu manter inalterada a taxa de juro directora no mínimo histórico de 0,5%. Apesar da decisão ter sido tomada no encontro da autoridade monetária realizado a 7 e 8 de Maio, só agora foi anunciada de forma a não interferir com as eleições britânica de quinta-feira passada.

Bloomberg
David Santiago dsantiago@negocios.pt 11 de Maio de 2015 às 12:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O banco central de Inglaterra manteve inalterada a taxa de juro directora nos 0,5%, com os custos de financiamento a permanecerem assim em mínimos históricos.

 

A decisão apesar de adoptada na reunião da autoridade monetária que decorreu nos dia 7 e 8 da semana passada, só foi anunciada esta segunda-feira, 11 de Maio, de forma a não interferir com o processo eleitoral que decorreu na quinta-feira passada e que na sexta-feira confirmou a vitória do primeiro-ministro David Cameron por maioria absoluta.

 

Esta opção da instituição liderada pelo governador Mark Carney era esperada, porque apesar de a economia britânica estar já a crescer há nove trimestres consecutivos a taxa de inflação permanece em níveis próximos de zero.

 

A agência Bloomberg adianta que Carney irá explicar por carta escrita ao ministro das Finanças britânico, George Osborne, que foi entretanto confirmado no cargo por mais cinco anos, as razões que levam à manutenção juros longe da meta em torno dos 2%.

 

A Bloomberg escreve ainda que a vitória de Cameron e a prossecução do programa eleitoral "torie" poderá levar o banco de Inglaterra a adiar uma subida dos juros para meados de 2016. Tendo em conta os cortes na despesa pública preconizados pelos conservadores, tendo por objectivo reduzir o défice orçamental que permanece em torno de 5% do produto interno bruto (PIB), o banco central poderá tentar apoiar a economia através da continuação de medidas acomodatícias.

Ver comentários
Saber mais David Cameron Mark Carney Banco Central de Inglaterra George Osborne Juros
Mais lidas
Outras Notícias