Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banco de Portugal diz actividade económica continua em queda

A economia nacional continua em quebra, com o indicador coincidente do Banco de Portugal a acentuar o perfil descendente no mês de Maio, uma tendência que já se regista desde meados do ano passado.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 17 de Junho de 2005 às 15:00

A economia nacional continua em quebra, com o indicador coincidente do Banco de Portugal a acentuar o perfil descendente no mês de Maio, uma tendência que já se regista desde meados do ano passado.

Segundo diz o Banco de Portugal nos Indicadores de Conjuntura de Junho, «o indicador coincidente mensal para a evolução homóloga da actividade económica, calculado pelo Banco de Portugal, manteve o perfil descendente observado desde meados de 2004».

Este indicador caiu 0,4% no mês de Maio, sendo que já regista variações homólogas negativas desde Março. Desde Julho de 2004 que o indicador coincidente mensal tem apresentado sempre uma tendência descendente, tendo entrado em terreno negativo em Julho do ano passado.

Este é assim mais um sinal de que a economia nacional continua com um fraco desempenho. No primeiro trimestre desde ano a economia saiu de recessão, mas a taxa de crescimento homóloga do PIB foi de apenas 0,1%, abaixo dos 0,5% verificados nos últimos três meses de 2004.

O desempenho só não foi pior devido ao crescimento do consumo privado, mas, segundo o Banco de Portugal, esta componente da economia nacional terá abrandado no segundo trimestre.

«A maior parte dos indicadores disponíveis relativos ao consumo privado continua a apontar para um abrandamento do crescimento deste agregado durante o segundo trimestre», refere o Banco de Portugal.

A instituição liderada por Vitor Constâncio explica que a confiança dos consumidores portugueses, medida pela Comissão Europeia, desceu em Maio, com o índice a cair para os 31 pontos negativos, reflectindo uma avaliação menos favorável das expectativas de desemprego e da situação económica geral nos próximos doze meses.

Crescimento na concessão de empréstimos volta a acelerar

No mês de Abril, a concessão de empréstimos bancários ao sector não monetário aumentou 6,2%, um taxa de crescimento 0,6 pontos percentuais mais elevada que no mês anterior.

«Esta evolução reflectiu essencialmente a aceleração dos empréstimos ao sector privado não financeiro (cuja taxa de variação anual aumentou de 5,5 para 6,2%), uma vez que a taxa de variação anual dos empréstimos a instituições financeiras não monetárias diminuiu 2,6 pontos percentuais, para 4,6%», refere o Banco de Portugal.

A taxa de crescimento dos empréstimos aos particulares acelerou de 9,4 para 9,5%, com o Banco de Portugal a afirmar que subjacentes a esta evolução estiveram as ligeiras acelerações dos empréstimos para aquisição de habitação (de 10,7 para 10,9%) e dos empréstimos para consumo e outros fins (de 4,4 para 4,5%).

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio