Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banco de Portugal duvida do défice e admite medidas adicionais

O Banco de Portugal defende que a meta do Governo para o défice deste ano apresenta riscos e admite a possibilidade de medidas adicionais.

Miguel Baltazar
  • Assine já 1€/1 mês
  • 13
  • ...

O Banco de Portugal tem dúvidas quanto à meta do défice fixada pelo Governo para este ano e admite a possibilidade de medidas adicionais, que podem penalizar a economia. O banco considera que o risco sobre o défice não é só por ter previsões económicas piores do que as do Executivo, mas também porque há medidas previstas no Orçamento do Estado que o banco considera pouco especificadas, tais como as poupanças sectoriais.

 

"O cumprimento do objectivo de 2,2% apresenta riscos. Para além da incerteza associada ao cenário macro, ainda se aguarda maior especificação sobre algumas medidas de consolidação orçamental apresentadas", diz o banco no Boletim Económico divulgado esta quarta-feira. O banco central reviu hoje em baixa em duas décimas para 1,3% a previsão de crescimento do PIB para este ano, o que coloca Portugal a crescer menos do que em 2015, afastando-se ainda mais do Governo, que aponta para uma subida do PIB de 1,8%. 

 

A preocupação do banco com a meta do défice para este ano já tinha sido transmitida no relatório de Estabilidade Financeira, do banco, divulgado recentemente.

 

Por outro lado, o banco considera que existe a "possibilidade de serem necessárias medidas adicionais" para cumprir os objectivos do défice, tal como já tinha admitido no relatório mais dedicado aos temas do sector financeiro, tal como o Negócios escreveu.

 

Além disso, o banco faz uma leitura das metas traçadas pelo Governo no Programa de Estabilidade, que aponta para o incumprimento das regras europeias.

 

"A redução anual do saldo estrutural prevista no programa situa-se aquém do estipulado nas regras europeias (0,6 pontos percentuais a partir de 2017), não sendo antecipado que o objectivo de médio prazo para o saldo estrutural (recentemente revisto de -0,5% para 0,25% do PIB) seja alcançado até 2020", lê-se no relatório.

 

Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal Orçamento do Estado Boletim Económico Programa de Estabilidade défice
Outras Notícias