Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE mantém juros "pelo menos até ao final de 2019" e avança com novo programa de financiamento

O Banco Central Europeu deixou os juros inalterados na segunda reunião do ano, mas já assume que o preço do dinheiro ficará baixo até ao final do ano. Além disso, anunciou ainda um novo programa de financiamento para a banca.

mario draghi parlamento
EPA
Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 07 de Março de 2019 às 12:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O Banco Central Europeu (BCE) manteve esta quinta-feira, 7 de março, as taxas de juro diretoras inalteradas na segunda reunião deste ano. E assim deverão ficar "pelo menos até ao final de 2019", revela o comunicado. Além disso, o BCE anunciou uma nova ronda de financiamento à banca europeia.

Até agora, o BCE referia nos seus comunicados que os juros iam ficar inalterados "pelo menos até durante o verão de 2019". Essa expressão mudou para "pelo menos até ao final de 2019", indo ao encontro das expectativas dos mercados. Atualmente, a expectativa da maior parte dos investidores é que uma subida dos juros só aconteça em 2020.

Independentemente deste ajuste no discurso, a instituição liderada por Mario Draghi reitera que os juros vão ficar em mínimos "enquanto for necessário para assegurar a continuação da convergência sustentada da inflação no sentido de níveis abaixo, mas próximos, de 2% no médio prazo".

Além desse ajuste no discurso, o banco central anunciou que vai avançar com um novo programa de financiamento à banca europeia (conhecido por TLTRO) com início em setembro deste ano e fim em março de 2021. "Será lançada uma nova série de operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas trimestrais, que terá início em setembro de 2019 e terminará em março de 2021, tendo cada operação um prazo de dois anos", lê-se no comunicado.

O objetivo é estimular a concessão de crédito aos agentes económicos por parte da banca: "Estas novas operações vão ajudar a preservar as condições favoráveis de concessão [de crédito] dos bancos e suavizar a transição da política monetária", explica o BCE.

O último desses programas deverá acabar no próximo ano e nesse momento os bancos terão de devolver os empréstimos ao BCE, o que vai retirar liquidez ao sistema financeiro e poderá funcionar como uma medida monetária restritiva. Desta forma, o banco central tenta suavizar esse impacto.


Mas a principal novidade da reunião de hoje deverá ser a revisão em baixa do crescimento económico face às projeções de dezembro, o que só será revelado quando a conferência de imprensa começar. 

Mario Draghi prepara-se para explicar o rumo da política monetária e as projeções económicas às 13:30 (hora de Lisboa) desta quinta-feira. No final de janeiro, o presidente do BCE admitia que os riscos estavam "mais negativos", mas deixou claro que o risco de recessão "é baixo". As atas da última reunião já referiam que o crescimento a curto prazo ia "ser mais fraco do que o antecipado previamente".

Segundo o comunicado de hoje, as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito permanecem inalteradas em 0%, 0.25% e −0.40%, respetivamente. O BCE compromete-se também a manter o reinvestimento da dívida pública adquirida durante o programa de compras que acabou no final do ano passado. 


(Notícia atualizada pela última vez às 13h06)
Ver comentários
Saber mais BCE Banco Central Europeu Mario Draghi política monetária
Mais lidas
Outras Notícias