Política BE defende escolha entre "dignidade" ou horários de 12 horas para os trabalhadores

BE defende escolha entre "dignidade" ou horários de 12 horas para os trabalhadores

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu hoje que é preciso escolher entre tratar os trabalhadores com dignidade ou permitir que Grupos como o de Soares dos Santos os obriguem a trabalhar 12 horas por dia.
BE defende escolha entre "dignidade" ou horários de 12 horas para os trabalhadores
Lusa
Lusa 12 de março de 2018 às 13:13

"Acho interessante a coincidência de as declarações do dono do Pingo Doce serem no mesmo dia em que saem os resultados de um estudo que diz que tantos trabalhadores em Portugal, mesmo trabalhando, continuam na pobreza", afirmou Catarina Martins em resposta às críticas de Pedro Soares dos Santos, numa entrevista ao jornal Público.

 

O presidente do Conselho de Administração do grupo Jerónimo Martins acusou na entrevista os partidos que apoiam o Governo no parlamento (BE e PCP) de serem "incapazes" de participar nas discussões fundamentais, considerando que "só atrapalham".

 

"Registo que [Pedro] Soares dos Santos queria que um trabalhador pudesse trabalhar 12 horas por dia", disse Catarina Martins, lembrando que "esta semana no parlamento vai-se votar, entre outras medidas, o fim do banco de horas e, portanto, temos que decidir se queremos que quem trabalha em Portugal seja tratado com dignidade ou se achamos que os Soares dos Santos desta vida podem obrigar trabalhadores a trabalhar 12 horas por dia".

 

Para a líder bloquista essa é "uma escolha estrutural" para a economia do país, na qual "só tem sentido que os trabalhadores sejam respeitados, que tenham salários dignos, que mesmo trabalhando não se fique na pobreza tantas vezes em Portugal".

 

Catarina Martins falava em Alcobaça, à margem de uma palestra em que hoje falou com os alunos da Escola Secundária D. Inês de Castro sobre o "O papel da mulher na política".

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 12.03.2018

Tem toda a razão. 12 horas por semana considero que é pouco. Se a malta já tem maus hábitos de trabalho,ficará pior, o turismo baixará e depois ganhamos ainda menos. Em que é que ficamos, um país de calões!

Zeca 12.03.2018

Oh Senhora! tenho uma pequena empresa, trabalho em media 12 horas dia, mais sábados, e com sorte arranjo uma semanita de ferias por ano, tenho um carro utilitário e um modesto apartamento, sabe porque tenho que trabalhar tanto? por causa de pessoas como a senhora que esbanjam os meus impostos!

Anónimo 12.03.2018

Oh Catarina minha Deusa ! onde estavas tu para defender os meus interesses laborais quando eu estava na vida activa , em que me obrigaram a assinar contratos em que tinha que trabalhar 24 Horas por dia e 25 nos dias em que atrasava a hora, e férias Niqles ( experimentem trabalhar a bordo de um navio a navegar para ocidente e vão ver se o que eu afirmo acima énão é verdade) e depois passem o cabo Horn para saberem o que é bom para a tosse. Oh Catarina sai da cruz que precisamos da madeira.

Anónimo 12.03.2018

A CATAR é conhecida pela sua veia politico empresarial c vencimentos acima dos 3000,00 euros ,portanto despeçam-s e corram empresa da CAT.Genios em emprego civil segundo Cat são obstáculo ao partido.Bem se arranjarem empregos n banco Portugal ou parlamento já n é mau.

ver mais comentários
pub