Política Berlusconi: O regresso de um eterno ícone italiano

Berlusconi: O regresso de um eterno ícone italiano

Cantor romântico, magnata da media, dono de uma equipa de futebol, primeiro-ministro, condenado e agora... uma influência na política?
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Bloomberg 03 de março de 2018 às 15:00

Aos 81 anos, Silvio Berlusconi desafiou rivais, promotores e escândalos sexuais através de uma série de regressos. E, enquanto os italianos se preparam para ir às urnas no dia 4 de Março, Berlusconi, que foi primeiro-ministro quatro vezes, está novamente no centro das atenções, porque a sua coligação deve ser o maior bloco da nova legislatura.

 

"A força de Berlusconi é extraordinária, ele tem uma capacidade surpreendente de levar golpes e resistir", diz Giovanni Orsina, autor do livro "Berlusconism and Italy: A Historical Interpretation". "É como se acreditasse que, se não estiver no centro das atenções, ele estará morto."

 

Ou, como o próprio Berlusconi afirmou: "Eu sou o Jesus Cristo da política. Sou uma vítima paciente, aturo todos, sacrifico-me por todos".

 

Enquanto se prepara para escrever mais um capítulo, aqui ficam sete retratos da saga de Berlusconi.

 

Cantor romântico de navio de cruzeiro

Berlusconi nasceu na família de um banqueiro em Milão, embora se descreva como "filho da guerra" porque a sua família fugiu para a zona rural para escapar dos bombardeios no período de guerra. A sua primeira experiência de trabalho foi aos oito anos, quando aprendeu a ordenhar vacas.

 

Foi pago em queijo.

 

Depois de estudar direito, o jovem Berlusconi trabalhou como cantor em navios de cruzeiro e clubes nocturnos, improvisando músicas sobre as pessoas que estavam na plateia. "Sempre gostei de encontrar a rima certa", disse ao Canale 5 em Novembro. Por fim, o dever familiar pôs fim à sua carreira musical. "O meu pai puxou-me a orelha e disse-me que eu não poderia ser cantor toda a vida", lembrou.

 

Construção de um império

Depois de fazer a sua primeira fortuna com imóveis, a compra de um canal a cabo de Milão em 1978 foi o primeiro empreendimento de Berlusconi na televisão. Oferecendo novelas e programas de variedades, muitas vezes com mulheres escassamente vestidas, Berlusconi aproveitou a abertura da transmissão italiana para construir um império privado que rivalizava com a rede estatal RAI.

 

Amigos influentes também o ajudaram. Depois de as autoridades de três cidades italianas terem proibido a transmissão privada para bloquear as suas redes em 1984, o primeiro-ministro socialista Bettino Craxi, um amigo íntimo, aprovou uma nova lei que as salvou.

 

Hoje, a sua empresa de investimento com sede em Milão, a Fininvest, tem participações em imprensa, biotecnologia e finanças, incluindo as suas duas maiores "holdings": Banca Mediolanum e Mediaset. O património líquido de Berlusconi é de cerca de 8,7 mil milhões de dólares, de acordo com o índice de milionários da Bloomberg, e cresceu 2,5% este ano.

 

Lágrimas no chuveiro

Berlusconi passou meses angustiado, a ponderar se deveria entrar na política ou não, preocupado com que os seus inimigos políticos o atacassem pelos seus interesses comerciais. "O que devo fazer? Às vezes até começo a chorar quando estou no chuveiro", confessou ao seu assessor Ezio Cartotto em 1993.

 

Como seria de esperar de um magnata da media, foi com uma mensagem de TV gravada, de nove minutos, que Berlusconi anunciou no ano seguinte a decisão de lançar o seu partido Forza Italia - nome que ele pediu emprestado a um cântico de futebol. Entre os co-fundadores estava Antonio Tajani, actual presidente do Parlamento Europeu e o preferido de Berlusconi para o cargo de primeiro-ministro.

 

Na eleição de Março de 1994, Forza Italia ficou em primeiro lugar, com 21% dos votos, e Berlusconi tornou-se primeiro-ministro pela primeira vez na liderança de uma coligação de centro-direita.

 

Berlusconi disse que entrou na política "porque os herdeiros dos comunistas estavam prestes a tomar o poder depois de demolir a democracia com o uso político da justiça". Os críticos dizem que foi para salvar os seus negócios.

 

Casamentos e divórcios

Praticamente todas as segundas-feiras, Berlusconi almoça com os seus filhos na sua mansão do século XVIII perto de Milão. Ele tem dois filhos do primeiro casamento, Marina e Pier Silvio, e três do segundo, Barbara, Eleonora e Luigi.

 

Berlusconi e a sua segunda esposa, Veronica Lario (na foto), uma ex-actriz, divorciaram-se em 2014, mas continuam numa batalha judicial. Lario apela de uma sentença do tribunal de recursos de Milão, que estipula que Berlusconi já não tem de lhe pagar 1,4 milhão de euros por mês.

 

A separação coincidiu com um escândalo sobre as festas "bunga bunga" alegadamente sexuais, que ele chamou de "jantares elegantes". Berlusconi negou pagar por sexo, acrescentando: "Nunca entendi onde está a satisfação quando se perde o prazer da conquista". A sua namorada actual é 49 anos mais jovem que ele.

 

O meu amigo Vladimir

Berlusconi e Vladimir Putin conheceram-se na cimeira do G8, em 2001, em Génova, Itália. Desde então, partilharam aniversários e férias na mansão de Berlusconi na Costa Esmeralda, da Sardenha, e na casa de campo de Putin, no Mar Negro.

 

Berlusconi diz que Putin é "o líder número um do mundo" e, em 2015, com sanções ainda em vigor, visitou a Crimeia com o líder russo, onde experimentou um xerez de 240 anos de uma adega ucraniana assumida pela Rússia após a anexação. No 65.º aniversário de Putin, no ano passado, Berlusconi presenteou o amigo com uma capa de edredom com uma fotografia gigante em que eles aparecem a dar um aperto de mãos.

 

Perturbador

Berlusconi acumulou gafes ao longo dos seus períodos como primeiro-ministro. Na foto grupal da cimeira de 2002 dos líderes da União Europeia, em Cáceres, na Espanha, Berlusconi fez o sinal de cornos atrás da cabeça do ministro espanhol das Relações Exteriores, Josep Piqué.

 

Na cimeira de 2009 da NATO em Baden-Baden, Berlusconi deixou a chanceler alemã Angela Merkel à espera na passadeira vermelha enquanto conversava ao telemóvel. O sorriso de boas-vindas de Merkel foi desaparecendo aos poucos, até que ela desistiu, virou as costas e foi-se embora. Berlusconi estava ao telefone com Recep Tayyip Erdogan, então primeiro-ministro turco, a tentar resolver um conflito diplomático.

 

Em Dezembro do mesmo ano, Berlusconi foi atacado numa manifestação em Milão, quando um homem lhe atirou com uma réplica de metal da catedral da cidade. Partiu o nariz e dois dentes. O agressor acabou por ser libertado sem queixas por ter problemas de saúde mental.

 

Lado positivo

Em 2013, o homem que diz ser o "mais perseguido em toda a história do mundo e na história da humanidade" foi condenado por fraude fiscal e despojado da sua cadeira no Senado — depois de quase duas décadas no Parlamento.

 

Berlusconi foi condenado a prestar serviços comunitários, ajudando num lar de idosos. "Estou satisfeito: há idosos que só comem se for eu quem os alimenta", afirmou Berlusconi. "Converti um comunista", acrescentou.

 

Berlusconi encontra sempre um lado positivo.

 

"É preciso saber como retirar o bem de todos os males", disse numa entrevista à televisão RAI no ano passado. "Ou, como diria o meu pai, deve sempre levar o sol no seu bolso para oferecê-lo a todas as pessoas que encontrar."

 

Agora, mais um regresso espectacular pode estar prestes a acontecer.

(Notícia original: Berlusconi Is Back)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
pertinaz 04.03.2018

DEIXEM-NOS EM PAZ... OS ITALIANOS TÊM O QUE MERECEM... E GOSTAM...!!!

surpreso1 03.03.2018

Berlusconi volta, porque os que vieram depois não prestam.Quando é que o jornalismo é honesto?

Anónimo 03.03.2018

Gerinçonça; sao comunistas juntos ao Partido do Mario Soares

Anónimo 03.03.2018

... e em Portugal geringonça. Mundo perigoso este.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub