Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Boaventura sugere dissolução do Livre. Tavares não recusa

O partido não recolheu o mínimo de 50 mil votos, pelo que lançou um peditório para pagar as dívidas da campanha.

Negócios 08 de Outubro de 2015 às 10:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • 31
  • ...

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos, mandatário do Livre/Tempo de Avançar em Coimbra, defende que o jovem partido "provavelmente devia dissolver-se" para se "articular com o Bloco de Esquerda" que tem, por seu turno, "espaço para conversa" com o Partido Socialista.

Em declarações também à TSF, o líder do partido, Rui Tavares (na foto), não refuta esse desfecho: "Quem quiser colocar a questão da continuidade, colocará a questão da continuidade." Sobre as possíveis conversas com o Bloco, o líder do Livre diz que "a disponibilidade para dialogar está sempre em cima da mesa".

 

Entretanto, o Movimento Livre/Tempo de Avançar lançou uma campanha de angariação de fundos para fazer face às despesas feitas durante a campanha eleitoral para as legislativas. "O que estamos a fazer é a pagar as contas nos prazos convencionados e, para pagar as contas, precisamos de donativos de membros, apoiantes, subscritores e das pessoas que acreditem nas nossas ideias e que achem que temos um papel relevante e importante que deve ser apoiado para nos ajudarem a ter as contas em dia e a saldar as nossas despesas", afirmou Rui Tavares à Lusa.

Apoiado pelo humorista Ricardo Araújo Pereira, pelos músicos J.P. Simões e Carlão, pelo psiquiatra Júlio Machado Vaz e pelo escritor Jacinto Lucas Pires, o Livre/Tempo de Avançar não recebeu qualquer subvenção estatal por não ter conseguido eleger nenhum representante para o parlamento nas legislativas de domingo, nem vai ter direito à subvenção anual pública para financiamento dos partidos políticos por não ter conseguido o mínimo de 50 mil votos.

 

"Metade dos gastos estão pagos e a outra metade falta pagar, mas contamos com um donativo de 20 euros por parte dos nossos subscritores para conseguirmos a breve trecho pagar o que temos a pagar", declarou. Questionado pela Lusa sobre a despesa que falta pagar, Rui Tavares não soube precisar, mas referiu que poderá rondar os 120 mil euros. No seu Facebook, Tavares precisa que "faremos a informação atempada dos montantes a saldar e alertaremos quando tivermos atingido os montantes necessários" e esclarece que "não aceitaremos donativos de empresas ou pessoas colectivas".

 

Ver comentários
Saber mais Livre dissolução Rui Tavares Boaventura de Sousa Santos Bloco de Esquerda Partido Socialista dívidas pagar
Outras Notícias