Europa Bombista suicida em festival alemão jurou fidelidade ao Estado Islâmico

Bombista suicida em festival alemão jurou fidelidade ao Estado Islâmico

O bombista terá gravado vídeo onde declara fidelidade ao Estado Islâmico. O Governo alemão afasta suspeita generalizada sobre refugiados no país.
Bombista suicida em festival alemão jurou fidelidade ao Estado Islâmico
Reuters
Negócios 25 de julho de 2016 às 18:53

O sírio que se fez explodir no domingo, perto de um festival de música em Ansbach, no sul da Alemanha, "jurou fidelidade" ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), anunciou esta segunda-feira, 25 de Julho, o ministro do Interior do estado da Baviera. Joachim Herrman indicou que as autoridades encontraram um vídeo no telemóvel do bombista suicida sírio no qual "jura fidelidade" ao líder do EI, adianta a agência Lusa.

"Ele anunciou explicitamente (actuar) em nome de Alá, jurou fidelidade (ao líder do EI), Abu Bakr al-Baghdadi e anunciou expressamente um acto de vingança contra os alemães que se atravessarem no caminho do Islão", declarou Herrman, de acordo com a primeira tradução do vídeo em árabe, citado pela Lusa.

Pouco depois, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) afirmou que o autor do atentado suicida perpetrado no domingo, no sul da Alemanha, era "um dos seus soldados", indicou a agência Amaq, órgão de propaganda do movimento.

O autor do atentado "respondeu aos apelos para tomar como alvo os Estados da coligação que combate o EI" no Iraque e na Síria, acrescentou o grupo, ainda segundo a Lusa.

Além do autor, que morreu na explosão, 15 pessoas ficaram feridas no atentado bombista de domingo.

A Alemanha tem sido varrida por uma sucessão de ataques. No dia 18, um afegão atacou com um machado e uma faca vários passageiros de um comboio, deixando muitos feridos. Na sexta-feira, um jovem alemão, com dupla nacionalidade iraniana, disparou sobre uma série de jovens, deixando nove mortos, a maioria  estrangeiros.

Reacção
Ministro rejeita "suspeita generalizada" sobre refugiados
O ministro do Interior alemão rejeitou ontem toda a "suspeita generalizada" em relação aos refugiados depois dos atentados ou agressões dos últimos dias na Alemanha. "Não devemos colocar os refugiados sob uma suspeita generalizada, mesmo se há processos, em casos isolados" contra alguns deles, declarou Thomas de Maiziere ao grupo de ‘media’ Funke, em relação aos recentes ataques. Este foi o terceiro ataque perpetrado por refugiados na Alemanha em pouco mais de uma semana. No dia 18, um afegão atacou e feriu um grupo de passageiros de um comboio. E também este domingo, um requerente de asilo sírio de 21 anos matou uma mulher de 45 anos com uma machadada na cabeça, num caso passional, segundo a polícia alemã. 



pub

Marketing Automation certified by E-GOI