Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Boris Johnson quer Reino Unido "com muito comércio e impostos baixos" depois do Brexit

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu hoje uma economia "com muito comércio e impostos baixos" no Reino Unido depois de o país sair da União Europeia a 31 de outubro.

Reuters
Lusa 14 de Outubro de 2019 às 17:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

Johnson "aspira a criar uma nova era de oportunidades" e transformar o Reino Unido "no melhor lugar da Terra", descrevendo o programa do governo para o próximo ano como "uma visão de um Reino Unido aberto e com uma política comercial global".  

 

Em contraste, criticou o programa político do Partido Trabalhista, a principal força política da oposição.

 

"O que temos é uma escolha entre uma oposição semi marxista que atrasaria o país décadas e um governo de uma nação que entende a importância vital da criação de riqueza", vincou.

 

O primeiro-ministro falava no início do debate sobre o programa legislativo do Governo britânico apresentado hoje pela rainha Isabel II na Câmara dos Comuns, onde se destacam várias propostas de lei relacionadas com o Brexit.

 

"A prioridade do Governo sempre foi garantir a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de outubro. O Governo pretende trabalhar no sentido de uma nova parceria com a União Europeia baseada no comércio livre e na cooperação amistosa", começou por ler a monarca.

 

Um acordo com a União Europeia (UE) para garantir uma saída ordenada depende das negociações que decorrem em Bruxelas, mas o negociador chefe da UE, Michel Barnier, disse no domingo que "ainda falta muito trabalho" até chegar a um entendimento.

 

O texto acrescentou que o governo de Boris Johnson vai implementar novas leis para as áreas da pesca, agricultura e comércio, "para aproveitar as oportunidades decorrentes da saída da União Europeia".

 

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, considerou o programa "uma farsa", apontando o facto de o Governo não ter uma maioria parlamentar e de ter perdido todas as votações na Câmara dos Comuns desde que entrou em funções.

 

Provocado sobre o bloqueio a eleições antecipadas, Corbyn disse que só vai dar o seu apoio depois de garantido um adiamento da data de saída do Reino Unido da UE para depois de 31 de outubro.

Ver comentários
Saber mais Boris Johnson Brexit Reino Unido
Outras Notícias