Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Braga de Macedo: Anúncio de Marcelo foi "escorreito mas pesado em analogias"

O professor de Economia e ex-ministro das Finanças considera que "o processo orçamental escolhido pelo Governo recorda mais os tempos do PREC do que as melhores práticas comunitárias". Veja o comentário de Braga de Macedo ao discurso de Marcelo.

Pedro Elias/Negócios
Negócios 28 de Março de 2016 às 20:05
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Jorge Braga de Macedo analisa, no Negócios, o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa sobre a promulgação do Orçamento do Estado:

 
A las cinco de la tarde

Para anunciar que tinha promulgado o Orçamento do Estado para 2016, o Presidente da República escolheu a mesma hora a que o Ministro das Finanças fizera a apresentação da proposta há quase dois meses: las cinco en sombra de la tarde. Tal como a poesia de Garcia Llorca, o anúncio foi escorreito mas pesado em analogias. Começou por resumir a situação internacional e europeia, salientando a sua grande imprevisibilidade.

 

Com mais de sete anos de crescimento medíocre do rendimento e do emprego nos países avançados, em particular na zona do euro, eis senão quando tropeça também o dinamismo dos mercados emergentes e só a Índia sustenta os famigerados BRICS. A preocupação do Chefe do Estado relativamente à estagnação secular e a incapacidade em promover o crescimento sequer nominal era conhecida, pelo menos desde a inédita iniciativa de ouvir o Banco Central Europa no próximo Conselho de Estado.

 

Reforçou essa nota de enquadramento internacional, dando mais força aos três pontos fortes do discurso: previsibilidade, execução e modelo.

 

Neste último soube realçar a importância dos documentos exigidos pelo Semestre Europeu que são o Plano Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade (muitas vezes erroneamente chamado PEC) para explicitar o compromisso a que Governo e Comissão Europeia (enquanto serviço técnico que acompanha o Semestre Europeu) haviam chegado. Também não surpreendem as três razões que deu para promulgar: a vantagem da certeza jurídica, a ausência de dúvidas constitucionais e a estabilidade política que lhe cumpre escorar.

 

Como julgo que o processo orçamental escolhido pelo Governo recorda mais os tempos do PREC do que as melhores práticas comunitárias, continuo a considerar que o orçamento promulgado quer tudo e o seu contrário não vendo a marca de um Ministro das Finanças com poderes para o executar, o que infelizmente tem sido a regra entre nós com exceção do período de ajustamento, como comprova a vasta literatura jurídico-económica sobre orçamentos como instrumentos de resolução de conflitos, em especial os trabalhos do Fundo Monetário Internacional, instituição extraeuropeia que não deixou dúvidas sobre os riscos desta reversão processual.

 

Saliento, a esse respeito, que nem a coordenação orçamental europeia, particularmente apertada na Zona Euro, nem a vigência de um programa de resgate são necessárias ou suficientes para a dominância estratégica do Ministro das Finanças sobre os ministérios gastadores, que radica no processo orçamental nacional, regional e local. Julgo que a dramatização artificial da fase de formulação deixou o Ministro das Finanças sem cartuchos para as fases da aprovação e da implementação.

 

Além de não conseguir mais crescimento nem mais emprego agregado, temo que a execução orçamental também não beneficie os mais precisados. Ainda assim, espero que, com a ajuda das instituições europeias e internacionais, se mantenha o quadro de abertura ao comércio internacional em bens, serviços e ativos financeiros com o qual o Presidente da República iniciou a sua intervenção a las cinco en punto de la tarde.

Ver comentários
Saber mais Jorge Braga de Macedo Marcelo Rebelo de Sousa Orçamento do Estado Presidente da República Ministro das Finanças
Mais lidas
Outras Notícias