Europa Bruxelas pede a Portugal que apresente programas de Estabilidade e Reformas ambiciosos  

Bruxelas pede a Portugal que apresente programas de Estabilidade e Reformas ambiciosos  

A Comissão Europeia quer que Portugal apresente programas de Estabilidade e de Reformas ambiciosos em Abril, com medidas que apostem na redução da dívida e do crédito malparado e no aumento da produtividade.
Bruxelas pede a Portugal que apresente programas de Estabilidade e Reformas ambiciosos   
Mário Cruz/Lusa
Lusa 14 de março de 2018 às 15:52

Numa carta enviada hoje ao ministro das Finanças, o vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta do Euro, Valdis Dombrovskis, e o comissário dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, encorajam o Governo a "continuar no caminho das reformas", uma vez que os 'stocks' de dívida pública, privada e externa "continuam altos" e são necessários "mais esforços" para corrigir, de forma sustentada, estes desequilíbrios.

 

Os responsáveis europeus afirmam que a redução da dívida pública portuguesa, que continua acima dos 125% do PIB, "depende da manutenção uma posição orçamental estrutural forte".

 

No caso da dívida privada, Dombrovskis e Moscovici recordam que os 'stocks' estão nos 170% do PIB e que é necessário manter o caminho de redução, bem como reforçar os balanços dos bancos, "sobretudo através de mais diminuições nos créditos não performativos".

 

"Acelerar o crescimento da produtividade permanece um factor chave para a competitividade e o crescimento do rendimento", acrescentam.

 

É com este contexto que os dois responsáveis exigem ao Governo português que submeta um Programa Nacional de Reformas e um Programa de Estabilidade "ambiciosos e detalhados", tendo em vista a "correcção sustentável" destes desequilíbrios.

 

A Comissão vai monitorizar de perto a acção política e a evolução dos desequilíbrios.

 

Na semana passada, a Comissão Europeia tirou Portugal dos desequilíbrios excessivos, mas manteve o país no grupo dos que ainda têm desequilíbrios. Com esta decisão, Bruxelas reconhece que os riscos estão a diminuir, "num contexto macroeconómico e financeiro favorável".

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 17.03.2018

Reformas qual reformas; a geringonca portuguesa so se preocupa com os salarios e pensoes dos seus apoiantes, FP.

comentários mais recentes
Anónimo 17.03.2018

Reformas qual reformas; a geringonca portuguesa so se preocupa com os salarios e pensoes dos seus apoiantes, FP.

PERTINAZ 15.03.2018

ESQUEÇAM LÁ ISSO...

ESTA ESCUMALHA DE ESQUERDA NÃO FOI TALHADA PARA TAL...

A escumalha grita 14.03.2018

Grita e pragueja contra a Europa mas está sempre de mão estendida à espera que caía!

JCG 14.03.2018

Esta arquitetura de Europa dá nisto: dá a possibilidade a um suíno qualquer oriundo do cú de judas de se intrometer nos assuntos internos de um outro país e nação com quase mil anos que se calhar nem sabe onde fica

ver mais comentários
pub