Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cameron e Miliband iniciam campanha formal empatados nas sondagens

Conservadores e trabalhistas dão esta segunda-feira o tiro de partida na campanha oficial tendo em vista as legislativas de 7 de Maio. As últimas sondagens mostram que a corrida entre Cameron e Miliband será renhida e que nenhum partido deverá alcançar uma maioria. O que reforça a perspectiva de nova coligação pós-eleitoral.

Bloomberg
David Santiago dsantiago@negocios.pt 30 de Março de 2015 às 12:10
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Serão um pouco mais de cinco semanas de campanha eleitoral desde esta segunda-feira, 30 de Março, até às eleições gerais agendadas para 7 de Maio. E, ao que tudo indica, a luta será renhida entre os conservadores liderados pelo primeiro-ministro David Cameron e os trabalhistas do líder da oposição Ed Miliband.

 

As duas últimas sondagens atribuem, separadamente, a vitória aos dois principais contendores. Depois de a última sondagem conhecida na semana passada atribuir a vitória ao Partido Conservador com dois pontos percentuais de vantagem sobre os trabalhistas, agora um estudo de sábado, do YouGov para o Sunday Times, dá 36% das intenções de voto ao Partido Trabalhista com uma vantagem de quatro pontos sobre os conservadores (32%).

 

No entanto, a sondagem deste domingo do ComRes para o Daily Mail e para a ITV News inverte os resultados ao atribuir 36% das intenções de voto a Cameron, com os mesmos quatro pontos à frente de Miliband que alcança 32%.

 

Nestas sondagens, o eurocéptico Ukip obtém 13% e 12%, respectivamente, o que deixa o partido de Nigel Farage com a terceira posição em perigo relativamente ao que vinham mostrando os estudos de opinião nas últimas semanas. Isto porque, os também respectivamente 8% e 9% obtidos pelos Liberais Democratas do vice-primeiro-ministro Nick Clegg, parecem ameaçar a suposta consolidação do Ukip como terceiro maior partido britânico.

 

Permanência do Reino Unido na UE assume papel de destaque no início da campanha

 

No primeiro dia da campanha volta a ser um tema já antigo a marcar a agenda. Especialmente devido ao facto de ser cada vez mais provável que, depois de contados os votos, seja necessária uma nova coligação governamental. O editorial desta segunda-feira do britânico The Guardian sublinha o facto de apesar de incomum no Reino Unido, a formação de uma coligação governamental em que os dois partidos trabalhem em conjunto pode "assegurar um governo forte", tal como demonstrado pelo Executivo formado pelos conservadores e pelos Liberais Democratas nos últimos cinco anos.

 

Depois de prometer, no início de 2013, levar a cabo um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia, após a vitória do eurocéptico Ukip nas eleições europeias de 25 de Maio do ano passado, o ainda primeiro-ministro inglês prometeu realizar a dita consulta popular já em 2016, isto caso vença as legislativas de Maio. Entretanto, Cameron garantiu que não será candidato a um eventual terceiro mandato.

 

Ed Miliband aposta precisamente na incerteza para as empresas britânicas que a saída da UE representaria para tentar captar votos. O líder trabalhista realça que o agendamento de um referendo levaria os conservadores a distraírem-se com uma questão que, per si, já iria criar um clima de incerteza para a economia do Reino Unido. Um estudo do think-tank Open Europe prevê que a saída britânica da União implicaria uma queda do PIB de 2,2% até 2030.

 

Em entrevista ao Financial Times, o trabalhista Chuka Umunna lembra que "se olharem para as empresas do Footsie 100, vemos que aquilo em que elas estão interessadas é em fazer negócios, e o que interessa para as empresas é a nossa continuidade enquanto membro da UE".

 

Nick Clegg deverá representar um papel determinante na medida em que, apesar de ser líder de um partido doutrinariamente pró-europeu, garante não excluir a realização de um referendo e assegura que isso não coloca em causa uma eventual reedição da actual coligação de governo com os conservadores. Clegg diz que os Liberais Democratas apoiam a realização de uma consulta popular sobre a permanência na UE desde que "de acordo com determinadas circunstâncias". Mas não adianta quais.

 

Todavia, duas importantes figuras dos Liberais Democratas como Vince Cable e Ed Davey, antecipam que a concretização do referendo vai criar um clima de incerteza prejudicial à actividade empresarial, algo que consideram difícil de conciliar no seio do partido.

 

O actual primeiro-ministro britânico já reiterou que se vencer as eleições, o referendo irá mesmo para a frente. Nesse sentido, Clegg pretende assegurar que mantém todas as opções em aberto para o seu partido. Mas terá de conseguir assegurar o apoio de um partido que para além de pró-europeu, poderá mesmo colocar em causa a liderança de Clegg. Já o Ukip só aceita participar numa coligação - ainda assim improvável - com os conservadores se o referendo for realizado já este ano. 

Ver comentários
Saber mais David Cameron Ed Miliband Partido Conservador Partido Trabalhista Nigel Farage Nick Clegg Liberais Democratas UE Reino Unido referendo Ukip
Outras Notícias