Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Candidato francês a comissário garante regras orçamentais iguais para todos

O candidato a comissário europeu designado pela França, Pierre Moscovici, assegurou aos eurodeputados que aplicará a todos os Estados-membros as regras europeias, incluindo a obrigação de manter o défice abaixo dos 3%.

Lusa 02 de Outubro de 2014 às 11:22

"Há que tratar todos os Estados-membros, grandes e pequenos, da mesma maneira", assegurou Moscovici na audiência com os eurodeputados da comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, junto dos quais se comprometeu a ser "um árbitro justo e imparcial" se tutelar a pasta dos Assuntos Económicos e Financeiros.

 

O socialista francês foi ministro das Finanças de François Hollande, sendo que o chefe de Estado francês anunciou recentemente que não cumprirá o limite de 3% imposto por Bruxelas aos défices nacionais.

 

"Comprometo-me perante vós a fazer com que todos os Estados-membros respeitem as nossas regras orçamentais. Há que o fazer sem complacência por uns e sem excesso de dureza para outros", sublinhou.

 

Moscovici adiantou ainda que se guiará por "uma só bússola: as regras, nada mais do que as regras".

 

O ex-ministro francês garantiu aos eurodeputados que se um país, mesmo a França, não aplicar as reformas estruturais e não adoptar as medidas previstas, "será seguido o procedimento de défice excessivo".

 

Os candidatos indicados pelos Estados-membros para integrar a "Comissão Juncker" têm que passar por uma avaliação no Parlamento Europeu e, em caso de dúvida, as diversas comissões parlamentares podem exigir uma segunda ronda, como aconteceu já com o britânico Jonathan Hill, por dúvidas em relação à União Bancária e aos Eurobonds.

 

O português Carlos Moedas, indicado para a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, foi ouvido na terça-feira e mereceu um parecer favorável da comissão responsável pela sua audição.

 

Apesar de a composição da Comissão Europeia ser votada como um todo (o que sucederá a 22 de Outubro próximo, em Estrasburgo), na sequência de cada audição a comissão parlamentar competente (ou comissões parlamentares, nos casos em que as pastas dos comissários são mais transversais) emite um parecer, e, se este for negativo, o presidente eleito da Comissão pode proceder a uma substituição do comissário, para evitar o risco de um "chumbo" do colégio no seu todo.

 

O ainda presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, viu-se forçado a proceder a mudanças na constituição das suas equipas tanto em 2004 como em 2009

Ver comentários
Saber mais François Hollande Bruxelas França Comissão Juncker Parlamento Europeu Comissão Europeia Pierre Moscovici
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio