Política Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"

Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"

A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou hoje que de "cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior", lembrando que a empresa nem sequer está a pagar a contribuição extraordinária sobre o sector energético.
Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"
Lusa
Lusa 13 de março de 2018 às 20:29

Questionada hoje pelos jornalistas sobre a notícia do semanário Expresso segundo a qual a EDP pagou apenas 0,7% de IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) em 2017, o que representa a taxa mais baixa entre as empresas cotadas na bolsa portuguesa, Catarina Martins garantiu que os bloquistas estão "muito atentos ao estatuto dos benefícios fiscais e a quem é que eles têm sido atribuídos".

 

"Para lá dos esclarecimentos que possamos pedir sobre o que foi a cobrança de impostos do ano passado, é bom lembrar que a EDP nem sequer a contribuição extraordinária sobre o sector energético está a pagar nesta altura e que o PS alterou um voto no Orçamento do Estado porque dizia que senão o fizesse teria mais pressão da EDP. Como está à vista cada vez que se cede à chantagem da EDP fica-se pior", criticou.

 

Já depois da publicação da notícia do Expresso, a eléctrica liderada por António Mexia esclareceu que o semanário "confunde o reporte contabilístico reflectido no relatório e contas com os valores efectivamente pagos em sede de IRC pela EDP, em Portugal".

 

"Os cerca de 10 milhões de euros relativos a 2017 que são referidos dizem respeito ao Grupo EDP, que tem actividade em todo o mundo, e beneficiam de um conjunto de eventos ocorridos fora de Portugal, nomeadamente a reforma fiscal nos EUA - equivalente a cerca de 44 milhões de euros - e a isenção de mais valias por venda de activos em Espanha (cerca de 200 milhões de euros)", refere a eléctrica.

 

Assim, adianta, "o IRC a ser pago em 2018 em Portugal, respeitante a 2017, em nada será impactado por estes eventos".

 

"O IRC pago em 2016, em Portugal, tinha sido de 333 milhões de euros e, em 2015, foi de 193 milhões de euros", acrescenta.




pub