Política Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"

Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"

A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou hoje que de "cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior", lembrando que a empresa nem sequer está a pagar a contribuição extraordinária sobre o sector energético.
Catarina Martins: "Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior"
Lusa
Lusa 13 de março de 2018 às 20:29

Questionada hoje pelos jornalistas sobre a notícia do semanário Expresso segundo a qual a EDP pagou apenas 0,7% de IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) em 2017, o que representa a taxa mais baixa entre as empresas cotadas na bolsa portuguesa, Catarina Martins garantiu que os bloquistas estão "muito atentos ao estatuto dos benefícios fiscais e a quem é que eles têm sido atribuídos".

 

"Para lá dos esclarecimentos que possamos pedir sobre o que foi a cobrança de impostos do ano passado, é bom lembrar que a EDP nem sequer a contribuição extraordinária sobre o sector energético está a pagar nesta altura e que o PS alterou um voto no Orçamento do Estado porque dizia que senão o fizesse teria mais pressão da EDP. Como está à vista cada vez que se cede à chantagem da EDP fica-se pior", criticou.

 

Já depois da publicação da notícia do Expresso, a eléctrica liderada por António Mexia esclareceu que o semanário "confunde o reporte contabilístico reflectido no relatório e contas com os valores efectivamente pagos em sede de IRC pela EDP, em Portugal".

 

"Os cerca de 10 milhões de euros relativos a 2017 que são referidos dizem respeito ao Grupo EDP, que tem actividade em todo o mundo, e beneficiam de um conjunto de eventos ocorridos fora de Portugal, nomeadamente a reforma fiscal nos EUA - equivalente a cerca de 44 milhões de euros - e a isenção de mais valias por venda de activos em Espanha (cerca de 200 milhões de euros)", refere a eléctrica.

 

Assim, adianta, "o IRC a ser pago em 2018 em Portugal, respeitante a 2017, em nada será impactado por estes eventos".

 

"O IRC pago em 2016, em Portugal, tinha sido de 333 milhões de euros e, em 2015, foi de 193 milhões de euros", acrescenta.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Mr.Tuga 14.03.2018

Pois....

A guita desta empresa MONOPOLISTA, a custa dos contribuintes tugas, vai toda para os camaradas do PxP xinoca....

Circo total 14.03.2018

A Luso Ponte fica com as receitas e as despesas paga o Estado/contribuinte, palhaçada

Neves 14.03.2018

É isso Catarina grita muito , faz um chinfrim atira-te a eles aos gritos claro

Anónimo 13.03.2018

As histéricas e o mentor Louçã é so petas. Rio vai cortar a direito. Peçam à autoridade tributária para publicar quanto IRC a EDP pagou e acabam as dúvidas. Vamos aos factos. E conclusão será Mexia andou a passar a perna ao povo nas rendas e não pagou impostos sequer. Arguido mas artista!

ver mais comentários
pub