Zona Euro Centeno admite que acordo para reforma da Zona Euro é insuficiente

Centeno admite que acordo para reforma da Zona Euro é insuficiente

O ministro português das Finanças e líder do Eurogrupo realçou a importância do acordo alcançado ao nível técnico para a reforma do bloco do euro, contudo admite que para garantir a "prosperidade" para todos é ainda preciso um orçamento comum e um fundo de garantia de depósitos.
Centeno admite que acordo para reforma da Zona Euro é insuficiente
David Santiago 08 de dezembro de 2018 às 12:34
Mário Centeno reconheceu este sábado que as medidas acordadas pelo Eurogrupo no início da semana para o aprofundamento da integração na Zona Euro apesar de relevantes são ainda insuficientes. 

No último dia do congresso do Partido Socialista Europeu (PSE) que decorre desde ontem no ISCTE, em Lisboa, o ministro português das Finanças salientou que o acordo fechado pelos ministros das Finanças da Zona Euro "permitiu concretizar medidas que se arrastavam desde a crise", dando como exemplo a forma encontrada para financiar o "fundo de resolução bancária".

Todavia, o também líder do Eurogrupo frisou que as duas medidas que ainda precisam de "trabalho futuro" - fundo de garantia de depósitos (o chamado terceiro pilar da união bancária) e a criação de um orçamento comum para a área do euro - são fundamentais para a promoção da "convergência e competitividade da área do euro".

A discussão destas duas questões "levará o seu tempo a concluir", admitiu para depois sustentar que a dotação do bloco do euro de capacidade orçamental própria é um instrumento que "se for bem desenhado poderá contribuir para a sustentabilidade, promover um crescimento inclusivo em todos os países" e assim permitir que "todos os países possam prosperar".

Centeno falava no âmbito de um debate a propósito do futuro de uma Europa mais sustentável, com o governante a alertar que é crucial trazer a questão da reforma da Zona Euro para o "centro do debate europeu". O estabelecimento de um orçamento comum "deve ser utilizado para unir os nossos cidadãos e não para os afastar ainda mais da política", atirou lembrando que é a "indiferença" face a estes temas que "permite que as forças populistas avancem".


O titular das Finanças sustentou ainda que a Europa de tem preparar as economias europeias "para as mudanças estruturais em curso: envelhecimento, digitalização, progresso da tecnologia". Como tal, Centeno identificou ainda a importância de reformar as instituições europeias que "sustentam a moeda única para que o euro cumpra função essencial de ser um veículo de prosperidade para os cidadãos europeus".




Saber mais e Alertas
pub