Finanças Públicas Centeno: Portugal poupou 1.270 milhões em juros com subidas de 'rating'

Centeno: Portugal poupou 1.270 milhões em juros com subidas de 'rating'

O ministro das Finanças relembra o impacto que as avaliações das agências financeiras têm nos custos de financiamento das famílias, empresas e Estado. Para Mário Centeno, as subidas do ratings, tal como aconteceu esta sexta-feira pela mão da S&P reflete "o reconhecimento de transformações estruturais na economia" portuguesa.
Centeno: Portugal poupou 1.270 milhões em juros com subidas de 'rating'
Lusa 16 de março de 2019 às 11:15

O ministro das Finanças disse hoje, à Lusa, que o Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento.

Em declarações à Lusa, a propósito da subida ontem do 'rating' de Portugal pela Standard & Poors (S&P), Mário Centemo afirmou ainda que esta melhoria hoje "reflete o reconhecimento de transformações estruturais na economia e terá impacto direto nos custos de financiamento das famílias, empresas e Estado.

"Trata-se de uma decisão que contribui para reforçar a confiança dos investidores e a credibilidade externa de Portugal, com impacto direto nos custos de financiamento das famílias das empresas e do Estado", acrescentou o ministro das Finanças.


A S&P subiu ontem a nota atribuída a Portugal de ‘BBB-‘ para ‘BBB’, dois níveis acima do grau de investimento especulativo, atribuindo-lhe uma perspetiva estável.


Mário Centeno recordou que em 15 de setembro de 2017, há 18 meses, a S&P foi a primeira das principais agências de ‘rating’ a colocar a dívida portuguesa de novo com a notação de investimento.


"Foi um sinal positivo e ao mesmo tempo muito claro do retorno à normalidade do financiamento da República Portuguesa", disse o ministro, adiantando que, desde essa altura, "Portugal emitiu 23.420 milhões de euros em dívida nas diferentes maturidades".


"E dado este reconhecimento e o percurso que fizemos nos mercados financeiros, pagámos menos 1.270 milhões de euros em juros apenas nestas emissões", adiantou o ministro.


"São poupanças que o Estado tem com o seu financiamento que apenas foram conseguidas pelo resultado das políticas económicas que temos seguido e pelo investimento feito em Portugal ao longo destes anos pelas empresas e pelas famílias", argumentou.


Em declarações à Lusa, Mário Centeno adiantou também que é preciso continuar o trabalho feito "em prol das novas gerações" e frisou que é importante a concentração da redução da dívida pública.


"Portugal hoje é de novo reconhecido pela Standard & Poor’s. Devemos continuar este trabalho em prol das novas gerações. Aquilo em que é mais importante concentrar-nos, em termos de resultados para Portugal hoje, é a redução da dívida, que continua elevada", assumiu o governante.


Sobre o impacto que esta melhoria do ‘rating’ terá para Portugal, Mário Centeno frisou que "o financiamento que as empresas têm, o crédito que as famílias podem aceder, beneficia desta redução das taxas".


"Significa que o rendimento disponível aumenta e que podemos todos em conjunto aumentar o investimento na nossa formação, nas nossas empresas. E o Estado com certeza beneficia porque os 1.200 milhões de euros que pagámos a menos em juros nas emissões desde setembro de 2017 beneficiam o Orçamento do Estado no que é o aumento da despesa em saúde, em educação, nos transportes", disse o ministro.


A agência de notação financeira S&P subiu hoje o 'rating' de Portugal de 'BBB-' para 'BBB', passando a ter a mesma avaliação para a dívida soberana portuguesa que a Fitch e a DBRS, que também avaliam a dívida pública portuguesa em 'BBB' com perspetiva estável.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI