Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cerca de 3,6 milhões de famílias vão pagar menos IRS em 2005

As famílias com rendimentos mensais abaixo de três mil euros deverão pagar menos IRS em 2005, mesmo num cenário de aumentos salariais de 2,5 por cento. De acordo com cálculos do «Público» a partir de dados da Direcção Geral dos Impostos de 2000, em causa

Negócios negocios@negocios.pt 25 de Outubro de 2004 às 08:58

As famílias com rendimentos mensais abaixo de três mil euros deverão pagar menos IRS em 2005, mesmo num cenário de aumentos salariais de 2,5 por cento. De acordo com cálculos do «Público» a partir de dados da Direcção Geral dos Impostos de 2000, em causa estão pouco menos de 3,6 milhões de agregados familiares.

Os quadros assalariados, com rendimentos de trabalho acima de três mil euros mensais, poderão sofrer, já em 2005, um agravamento fiscal, segundo a metodologia aplicada pela administração fiscal. De acordo com dados de 2000, em causa estarão cerca de 165 mil agregados familiares.

Como o universo de contribuintes ronda os 3,75 milhões, cerca de 3,6 milhões de famílias verão a sua factura fiscal desagravada em 2005. Se consideramos outros dados da administração fiscal.

A generalidade dos assalariados beneficiará de um desagravamento fiscal em 2005 e, em 2006, oficialmente espera-se que beneficie 87% dos contribuintes, mesmo depois do corte de benefícios fiscais. Mas o Ministério das Finanças não forneceu os elementos necessários para calcular esse impacto.

O agravamento fiscal estimado apenas conta com o impacto da descida das taxas - de 12 para 10,5% - no IRS a pagar por diferentes escalões de rendimento e após um aumento salarial de 2,5% a verificar-se em 2005. Pressupõe-se que todos os contribuintes terão desse aumento salarial.

Aliás, esse aumento salarial é a razão que poderá ocorrer com a penalização dos detentores de salários mais elevados, uma vez que tenderão a ser "apanhados" pelo facto do Governo ter optado por actualizar os limites de cada escalão de rendimento a uma taxa abaixo do aumento salarial previsto – 2%.

Outras Notícias
Publicidade
C•Studio