Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

China já é o terceiro mercado de Portugal fora da Europa

A China já é o terceiro mercado de Portugal fora da Europa, a seguir a Angola e aos Estados Unidos, realçou o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCIL-C), João Marques da Cruz, acerca do desenvolvimento das relações bilaterais.

Panda ou tigre?
Lusa 27 de Fevereiro de 2013 às 10:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

"Ao contrário do que a grande maioria dos portugueses deve pensar, actualmente já exportamos mais para a China do que para o Brasil", disse Marques da Cruz à agência Lusa em Pequim.

 

"Isto é um fenómeno da última década. Há dez anos, a China não estava sequer no 'top 10' das nossas exportações extra-europeias", acrescentou.

 

Na primeira entrevista desde que assumiu a presidência da CCIL-C, há cerca de um ano, Marques da Cruz considerou Macau "um activo que Portugal deve valorizar", mas defendeu que as relações luso-chinesas "não se podem esgotar" naquele território.

 

Portugal devia ter um "acordo de entendimento estratégico" com a China, idêntico ao que une Pequim a Berlim, com cimeiras regulares entre os dois governos, disse.

 

As exportações portuguesas para a China duplicaram nos últimos dois anos, somando 1,128 mil milhões de euros em 2012.

 

Membro do Conselho de Administração executivo da EDP, nascido em 1961 e formado em Economia, Marques da Cruz foi o último presidente do ICEP, organismo extinto em 2007 e que deu origem à actual AICEP (Agência para a promoção do Investimento e Comercio Externo de Portugal).

 

Ao longo da sua carreira de gestor, já foi presidente da Companhia de Electricidade de Macau (CEM) e conhece a China há mais de vinte anos.

 

Questionado sobre os conselhos que daria aos empresários interessados em fazer negócios na China, Marques da Cruz destacou: "É preciso conhecer melhor o país, não olhar para a China como um todo e escolher um bom parceiro".

 

"A China não é um mercado, são muitos mercados. É preciso fazer negócios cidade a cidade, província a província (...).Tentar ir para a China sem um bom parceiro é um erro", afirmou.

No plano bilateral, Marques da Cruz considerou que a decisão do Governo português de vender 21,35% das ações da EDP à China Three Gorges, em Dezembro de 2011, é "um marco" e "terá um efeito multiplicador".

 

"Não houve nenhuma discriminação e Portugal mostrou que é um país que acolhe investimento não europeu", salientou. 

 

A entrada daquela empresa estatal chinesa no capital da EDP foi também um dos maiores investimentos da China na Europa, no valor de 2.700 milhões de euros.

Ver comentários
Saber mais China Comércio e Indústria Luso-Chinesa
Outras Notícias