Mundo China terá instalado mísseis terra-ar em ilha disputada  

China terá instalado mísseis terra-ar em ilha disputada  

As acusações de que a China instalou mísseis terra-ar numa ilha do arquipélago Paracel foram confirmadas por fontes militares de Taiwan, que afirmaram que existem imagens de satélite que o atestam.  
China terá instalado mísseis terra-ar em ilha disputada  
Reuters
Lusa 17 de fevereiro de 2016 às 07:50

A China sublinhou que as construções numa ilha disputada por vários países no Mar do Sul da China se destinam "à autodefesa", mas recusou confirmar ou desmentir se instalou mísseis terra-ar no mesmo território, como assegura Taiwan.

 

"As construções, limitadas e necessárias à autodefesa, que a China construiu nesse território, estão em linha com o direito de protecção contemplado no direito internacional", afirmou o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, numa conferência de imprensa conjunta com a congénere australiana, Julie Bishop, em Pequim.

 

"Não constitui qualquer questão ou problema", concluiu.

 

As acusações de que a China instalou mísseis terra-ar numa ilha do arquipélago Paracel foram hoje confirmadas à agência Efe por fontes militares de Taiwan, que afirmaram que existem imagens de satélite que o atestam.

 

As mesmas fontes, que falaram sob a condição de anonimato, escusaram-se a facultar mais detalhes, mas sublinharam que a actividade da China na zona está a ser seguida com muita atenção.

 

Horas antes, a cadeia norte-americana Fox News informou que a China dispõe de um sistema de lançamento de mísseis terra-ar numa das ilhas do arquipélago, alegadamente rico em petróleo, cuja soberania é reivindicada por Pequim e Taipé e também pelo Vietname.

 

A Fox citou imagens capturadas por satélites do ImageSat International, nas quais se vêem duas baterias de oito lançadores de mísseis terra-ar e um sistema de radares na ilha Woody, que faz parte do arquipélago Paracel.

 

Os mísseis chegaram na semana passada, já que as imagens de satélite mostram que uma praia estava vazia a 3 de Fevereiro e que, a partir de dia 14, albergava os referidos dispositivos.

 

Este destacamento vem acentuar as tensões na região, reavivadas no ano passado quando imagens, também recolhidas por satélite, mostraram que a China avançou com construções de grande envergadura em ilhotes e recifes das ilhas Spratly, até as converter em autênticas ilhas artificiais, incluindo com pistas de aterragem e guarnições militares.

 

Precisamente hoje reúnem-se em Pequim os ministros dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, e da Austrália, Julie Bishop, com a militarização das ilhas Spratly e Paracel a figurar como um dos pontos da agenda de discussão. Esses dois arquipélagos são disputados por vários países da região.

 

A soberania de Paracel, controlado pela China, é reivindicada por Taiwan e Vietname; enquanto as ilhas Spratly, mais dispersas, são total ou parcialmente reclamadas pela China, Filipinas, Taiwan, Vietname e Malásia.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI