Ambiente Clima: Duas empresas portuguesas com metas reconhecidas internacionalmente

Clima: Duas empresas portuguesas com metas reconhecidas internacionalmente

Mais de 100 empresas de 23 países, incluindo a EDP e os CTT, têm as suas metas de redução de emissões de gases com efeito de estufa aprovadas por uma iniciativa internacional, seguindo os objectivos do Acordo de Paris.
Clima: Duas empresas portuguesas com metas reconhecidas internacionalmente
Reuters
Lusa 17 de abril de 2018 às 00:12

Os Estados Unidos são o país mais representado neste grupo, com 24 empresas, enquanto os Estados-membros da União Europeia (UE), com 57 adesões, têm cerca de metade das 103 companhias com metas já reconhecidas pelo projecto Objectivos Baseados na Ciência.

 

Esta iniciativa junta a United Nations Global Compact (que reúne presidentes de empresas no compromisso de seguir os objectivos de sustentabilidade da ONU), a CDP - Disclosure Insight Action (uma plataforma internacional de divulgação ambiental), o World Resources Institute e a organização internacional de defesa da natureza WWF.

 

Os CTT - Correios de Portugal e a EDP são as duas empresas portuguesas que estão na lista daquelas que se comprometeram a reduzir emissões, juntando-se a multinacionais como a Eletrolux, L´Oréal, McDonald´s ou a Sony.

 

"Mais de 270 empresas já se comprometeram publicamente relativamente à iniciativa Objectivos Baseados na Ciência, e é esperado que mais centenas o façam", sendo depois avaliadas pelo projecto, refere um comunicado hoje divulgado pela CDP.

 

As 103 empresas reconhecidas "estão já a trabalhar para as metas de redução de emissões alinhadas com o que a ciência climática diz ser necessário para prevenir o perigoso aquecimento global", acrescenta a informação.

 

São 28 os sectores representados, sendo o maior número de empresas da área da alimentação e bebidas, com 14, produtos de consumo (dez) e tecnologia (nove).

 

A iniciativa pretende ajudar as empresas na definição de um caminho que as leve à redução de emissões, seguindo a meta estipulada no Acordo de Paris sobre o clima para conseguir limitar a subida da temperatura média do planeta a 2º Celsius comparativamente aos valores da época pré-industrial.

 

Entre os países com mais empresas na iniciativa internacional estão ainda o Japão (15) e o Reino Unido (11).

 

As emissões de gases com efeito de estufa totais anuais destas empresas, que totalizam 404 megatoneladas de dióxido de carbono equivalente, são semelhantes às de cem unidades de produção de energia a carvão.

 

Estas empresas representam um valor de mercado de 3,4 biliões de dólares (2,8 biliões de euros).

 

"As notícias actuais mostram que as metas baseadas na ciência estão a tornar-se rapidamente 'a nova normalidade' para os negócios que procuram ganhar vantagem competitiva na transição para uma economia de baixo carbono, [o que] demonstra que empresas de vários sectores estão prontas a seguir os objectivos do Acordo de Paris e a reconhecer o forte imperativo de fazê-lo", defende a responsável de programas da United Nations Global Compact, Lila Karbassi, citada no comunicado.

 

O compromisso das empresas "envia um sinal forte aos governos em todo o mundo de que podem estar confiantes em aumentar a sua própria ambição", acrescenta.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub