Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Confronto EUA-China sobre big data pode ter impacto durante décadas

TikTok, WeChat e Huawei Technologies são apenas o início. O que vem a seguir poderá remodelar a economia global nas próximas décadas.

Reuters
Bloomberg 13 de Setembro de 2020 às 11:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

As medidas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para impedir que algumas das maiores empresas chinesas tenham acesso a dados privados de americanos - restrições que deverão entrar em vigor este mês - são parte de um esforço mais amplo para criar redes limpas que o Partido Comunista não pode tocar. Essa iniciativa, que envolve várias frentes, como redes 5G, serviços em nuvem e cabos submarinos, já tem impacto ao nível de acordos corporativos e na geopolítica, com países e empresas pressionados a escolher um lado.

Enquanto as medidas se intensificam no meio de uma campanha eleitoral, a questão de que dados dos EUA podem ser acedidos por empresas chinesas - se é que os há - atravessa linhas partidárias. Trump e o seu rival, o democrata Joe Biden, tentam atrair eleitores frustrados com a pandemia da covid-19 como o candidato duro com a China.


Os mercados estão a acordar para o risco de longo prazo. A notícia de que a China pretende reformar a indústria doméstica de chips de computadores ajudou a desencadear a queda das ações na semana passada, que tirou cerca de 100 mil milhões de dólares de um índice de peso que segue o setor de semicondutores.

 

Os EUA discutem agora se devem restringir o acesso chinês a dados sobre tudo, desde frigoríficos inteligentes a monitores de exercícios, decisões que, segundo líderes empresariais de Silicon Valley a Shenzhen, poderão levar a uma dissociação de toda a economia global.

Tudo isso é fundamentalmente um ataque à própria Internet, disse Andrew Sullivan, presidente da Internet Society, que defende redes abertas em todo o mundo. Esta é uma tentativa de destruir toda a economia que cresceu em torno de aplicações em rede.

O bilionário de tecnologia chinês Jack Ma considera os dados mais importantes do que o petróleo na condução da economia do século XXI. E a batalha pelo controlo dos dados ameaça dividir o mundo em campos concorrentes, especialmente porque a inteligência artificial e a Internet das Coisas implicam que produtos como torradeiras e calças de ioga transmitam dados.

As autoridades dos EUA dizem que refletiram sobre as amplas consequências do impacto que uma política real de redes limpas teria. E, embora a abordagem tenha sido inicialmente ridicularizada, conquistou adeptos.

A Internet agora é um novo campo para a competição geopolítica, disse Geoffrey Gertz, integrante do grupo de políticas da Brookings Institution, em Washington. Não vejo essas tensões a dissiparem-se. Isso é algo com que temos que conviver e gerir por muito tempo.

Liderada pelos EUA, a Rede Limpa já lista quase 30 empresas de mais de uma dúzia de países. Até agora, aplica-se estritamente às instalações diplomáticas dos EUA, que devem ter um caminho de comunicação ponta a ponta que não use nenhum equipamento de transmissão, controlo, computação ou armazenamento de fornecedores de TI não confiáveis como os da China.

Estamos a tentar ficar fora da geopolítica o máximo que podemos, disse Michael Beckerman, chefe de política da TikTok para os EUA, em entrevista na terça-feira à Bloomberg TV. Mas, certamente, o clima macroeconómico e macropolítico é desafiante no momento.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias