Política Congresso: Cristas insiste em listas próprias e "muito trabalho" nos próximos dois anos

Congresso: Cristas insiste em listas próprias e "muito trabalho" nos próximos dois anos

A líder do CDS defendeu que o partido deve concorrer em listas próprias nas eleições legislativas e europeias.
Congresso: Cristas insiste em listas próprias e "muito trabalho" nos próximos dois anos
Lusa 10 de março de 2018 às 13:02

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu, este sábado, em Lamego, que a estratégia de alianças do partido ficará "completamente esclarecida" no Congresso centrista, insistindo que o partido deve concorrer em listas próprias a legislativas e europeias, avança a Lusa.

"Nós queremos ter 116 deputados no centro direita em Portugal, queremos que o CDS contribua o mais possível para esse número e entendemos que a melhor forma de lá chegarmos é irmos em listas próprias autonomamente", defendeu Assunção Cristas à entrada para o 27.º Congresso do partido, que decorre este sábado e domingo num pavilhão de Lamego.


A líder centrista chegou ao 27.º Congresso do CDS-PP debaixo de um aguaceiro, acompanhada pelo marido, e sublinhou aos jornalistas que a estratégia de alianças do partido está em continuidade com a linha da anterior reunião magna, em que sucedeu a Paulo Portas e passa por "muito trabalho".


"Já ficou há dois anos, e neste Congresso também ficará completamente esclarecida, naquilo que está na nossa moção", declarou, vincando que o adversário do CDS-PP é António Costa e "as esquerdas unidas", e, numa referência ao PSD, disse que os "outros são amigos".


De acordo com Assunção Cristas, "o CDS está onde sempre esteve, no centro e na direita".

"Queremos ser o grande partido de centro e direita em Portugal, é isso que digo na moção e é isso que direi aqui hoje. Sabemos onde estamos e estamos onde sempre estivemos, com propostas muito construtivas, a pensar no dia a dia de todos e com a preocupação de ter soluções concretas", disse.


A presidente centrista sublinhou ainda a realização do Congresso em Lamego, no distrito de Viseu, como um sinal para uma discussão sobre a interioridade.


"Estamos no interior do país, com algum esforço para todos, mas não podemos apenas falar do interior, é preciso virmos ao interior do país, valorizar, dinamizar, e hoje aqui estamos em Lamego, com um bocadinho de chuva, mas certamente com um ambiente muito quente lá dentro", declarou.


Dizendo esperar que a reunião magna centrista dê ao partido "força e genica para os próximos dois anos", a líder do CDS-PP reiterou o método de "muito trabalho, muito, muito trabalho de formiga, bons protagonistas, bons candidatos", e "as melhores ideias, que são construídas não apenas pelo CDS, mas com todo o país", "a ouvir Portugal".




Saber mais e Alertas
pub