Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Constâncio trava especulação sobre retirada dos estímulos e garante que mudanças não serão "imediatas"

O vice-presidente do BCE mostra preocupações com a recente apreciação do euro, que "não reflecte os fundamentais", e sublinha que as mudanças na política do banco central não serão "imediatas".

Bruno Simão/Negócios
Rita Faria afaria@negocios.pt 17 de Janeiro de 2018 às 10:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Depois de os relatos da última reunião do Banco Central Europeu (BCE) terem aumentado a especulação em torno da retirada antecipada dos estímulos à economia, Vitor Constâncio vem pôr água na fervura.

 

Em entrevista ao italiano La Repubblica, o vice-presidente da autoridade monetária avisa que há o risco de uma apreciação injustificada da moeda única, e que os responsáveis pela política monetária da Zona Euro não estão com pressa para alterar a sua comunicação sobre o programa de estímulos.

 

"Estou preocupado com movimentos bruscos que não reflectem mudanças nos fundamentais", afirmou Constâncio, referindo-se à recente apreciação da moeda única, que escalou para máximos de Dezembro de 2014, a beneficiar da expectativa de que o BCE possa retirar os estímulos à economia mais cedo do que o previsto.

 

"Olhando para os fundamentais, a inflação recuou ligeiramente em Dezembro", continuou o responsável.

 

Vítor Constâncio defendeu mesmo que o banco central não deve "sufocar o crescimento" demasiado cedo e não deu sinais de uma mudança na orientação do BCE na próxima reunião do Conselho, a 25 de Janeiro. Nesta altura, o compromisso da autoridade monetária é continuar com o programa de compra de obrigações até Setembro, e estendê-lo para além dessa data, se necessário.  

 

"Vemos a necessidade de um ajustamento gradual de todos os elementos do nosso ‘guidance’, se a economia continuar a crescer e a inflação continuar a avançar em direcção ao nosso objectivo", disse Constâncio. "Isso não significa que as mudanças serão imediatas".

 

O esclarecimento do vice-presidente do BCE surge depois de os relatos da última reunião da autoridade monetária, divulgados na semana passada, terem mostrado abertura, por parte do banco central, para ajustar a sua comunicação com o mercado no sentido de sinalizar uma retirada dos estímulos monetários de forma mais célere do que o previsto actualmente.

 

Essa sugestão levou o euro a disparar para máximos de três anos, com o mercado a antecipar uma normalização mais rápida da política monetária. Uma ideia a que o vice-presidente do BCE coloca agora um travão, salientando que as mudanças não serão "imediatas" e que os juros só vão subir bem depois de terminarem as compras de activos.

 

Já hoje, o presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, afirmou que as expectativas dos analistas que apontam para o início do ciclo de subida de juros na Zona Euro em meados do próximo ano são "realistas".  

Ver comentários
Saber mais Vítor Constâncio BCE juros estímulos Zona Euro política monetária
Outras Notícias