Conjuntura Consumidores mais confiantes no país mas menos optimistas quanto à sua situação pessoal

Consumidores mais confiantes no país mas menos optimistas quanto à sua situação pessoal

A confiança dos consumidores estabilizou em Fevereiro. A situação económica do país é o motivo de maior optimismo, mas as perspectivas sobre o desemprego e a situação financeira pessoal pioram o sentimento.
Consumidores mais confiantes no país mas menos optimistas quanto à sua situação pessoal
O indicador de clima económico também se manteve estável em Fevereiro, mas a construção e obras públicas foi o único sector de actividade a melhorar.
Miguel Baltazar/Negócios
Margarida Peixoto 27 de fevereiro de 2018 às 10:20
Os consumidores estão mais confiantes quando olham para o país, mas com mais dúvidas sobre a sua situação pessoal. Em Fevereiro, a confiança dos consumidores estabilizou, depois de ter registado uma correcção em Janeiro. Os dados foram divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, o indicador de confiança dos consumidores manteve-se inalterado (a média móvel do saldo de respostas extremas ficou em 1,3) depois de ter corrigido em Janeiro. A explicar esta evolução está um "contributo positivo das perspectivas relativas à evolução da poupança e da situação económica do país", contrabalançado por uma evolução negativa das "expectativas em relação à evolução do desemprego e da situação financeira do agregado familiar", lê-se no boletim.

A confiança dos consumidores continua em níveis elevados, tendo em conta a série histórica. Em Julho de 2017 atingiu o valor máximo (2,5), depois de em Dezembro de 2012 ter registado o mínimo desde que há registos, de -53,3. Contudo, é já visível uma tendência de correcção desde o Verão do ano passado.


Também o indicador de clima económico ficou estável em Fevereiro, face a Janeiro. Este já é, aliás, o segundo mês consecutivo em que este indicador não mexe. O INE nota que "os indicadores de confiança diminuíram na indústria transformadora, no comércio e nos serviços," tendo aumentado apenas na construção e obras públicas.

No caso da indústria e do comércio, os indicadores de confiança já caem pelo segundo mês consecutivo. Nos serviços, a queda registou-se apenas em Fevereiro, tendo Janeiro sido ainda um mês de melhoria. E na construção e obras públicas é o segundo mês de melhoria da confiança, depois de três meses de quebra.

Sentimento económico corrige na Zona Euro e na UE

Também na Zona Euro e no conjunto da União Europeia o sentimento económico corrigiu ligeiramente em Fevereiro, apesar de se manter em níveis historicamente elevados, mostram os dados publicados esta terça-feira pelos serviços da Comissão Europeia. 

Na Zona Euro, a correcção resultou de reduções generalizadas a todos os sectores, excepto os serviços. A queda foi mais marcada entre os consumidores, mas mais reduzida na indústria, retalho e construção. Já nos serviços a confiança melhorou.

De entre as maiores economias do euro, a confiança melhorou significativamente em Itália e mais marginalmente na Holanda. Em França e na Alemanha o sentimento piorou marcadamente e degradou-se ligeiramente em Espanha.

(Notícia actualizada com informação sobre a Zona Euro e a União Europeia)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 27.02.2018

Também eu me preocupo com com a minha situação profissional. Com o advento da era digital, muitos postos de trabalho se tornaram e tornarão supérfluos.
E depois? Passamos e bestiais a bestas num ápice e daí é um passo para o desemprego.

comentários mais recentes
Anónimo 27.02.2018

Também eu me preocupo com com a minha situação profissional. Com o advento da era digital, muitos postos de trabalho se tornaram e tornarão supérfluos.
E depois? Passamos e bestiais a bestas num ápice e daí é um passo para o desemprego.

General Ciresp 27.02.2018

Se para mim o ine nao era mais q uma SIRENE de ambulancia descapotavel,esse pensar ainda nao mudou.Para mim a mulher gravida ainda continua a ser o BAROMETRO da economia portuguesa.Todos nos sabemos q so a vida dos publicos melhorou,se nao for em mais nada ao menos em propaganda radical,gemer,gemer,

pub