União Europeia Cortes nas políticas agrícola e de coesão podem ser erro irreversível, diz Marcelo

Cortes nas políticas agrícola e de coesão podem ser erro irreversível, diz Marcelo

O Presidente da República defendeu esta quarta-feira que o próximo quadro financeiro plurianual da União Europeia não deve cortar nas políticas agrícola e de coesão, advertindo que uma má escolha pode ser "um erro irreversível".
Cortes nas políticas agrícola e de coesão podem ser erro irreversível, diz Marcelo
José Sena Goulão/Lusa
Lusa 14 de março de 2018 às 20:06

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante uma conversa com o seu homólogo grego, Prokopios Pavlopoulos, sobre "As raízes e o futuro da Europa", no Palácio Presidencial, em Atenas, que foi o último ponto da sua visita de Estado à Grécia.

 

Na sua intervenção, em inglês, o chefe de Estado concordou que se deve "criar um Fundo Monetário Europeu" e advogou "não apenas uma União Europeia democrata, mas uma União Europeia social-democrata", que assegure que "ninguém fica para trás por causa das mudanças tecnológicas e científicas".

 

Por outro lado, alertou para "sinais preocupantes de crise em vários sistemas políticos nacionais" no espaço europeu, observando: "Eu não vejo como ter líderes europeus fortes com líderes nacionais fracos. Os líderes europeus não caem do céu, são resultado das vidas nos sistemas políticos nacionais".

 

Sobre o próximo quadro financeiro da União Europeia, o Presidente da República afirmou que é preciso "ter a coragem de ser ambicioso no debate difícil sobre o próximo quadro financeiro plurianual", tendo como preocupação "a real convergência social e económica entre todos os Estados-membros".

 

Há que "discutir o orçamento" com o objectivo de "não aceitar cortes na política agrícola comum e na política de coesão", acrescentou. No seu entender, "tem de se ser firme", porque está em causa "a justiça social na relação entre Estados-membros e na visão de toda a União" e será "uma discussão dura, mas vital".

 

Marcelo Rebelo de Sousa dramatizou a relevância deste processo: "Ao discutir este quadro financeiro para os próximos sete anos após 2021, estamos a reparar as condições de vida dos nossos filhos e netos, por toda a Europa. Uma escolha bem feita faz a diferença, uma má escolha significa um erro irreversível para a União Europeia".

 

A seguir, em declarações aos jornalistas, o Presidente da República reiterou esta posição em "defesa de um orçamento [europeu] que não corte dinheiro para a política agrícola e para a coesão", referindo que isso é importante para Portugal e para a Grécia.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 14.03.2018

Hoje em dia a UE já faz transferências e concede ajudas e financiamentos aos Estados-Membros menos ricos e desenvolvidos. No futuro, com uma UE federal com um orçamento maior e mais competências políticas a nível federal, mais direitos (como mais transferências para os Estados e economias que têm menos, e mais e melhor cidadania europeia) implicarão ainda mais deveres (como reformas adequadas feitas na íntegra e de forma atempada) para cada Estado-Membro. Esses deveres, tantas vezes referidos por instituições como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE de forma quase informal e geralmente inconsequente, hoje em dia não são cumpridos. Com uma UE federal existirão meios e ferramentas para que as reformas, os deveres, avancem no seu tempo e Estados-Membros como Portugal e a Grécia não se desleixem e atrasem tanto por força dos seus políticos eleitoralistas mais irresponsáveis, dos seus sindicalistas chantagistas mais fundamentalistas e dos seus banqueiros criminosos mais extorsionários.

comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

O JdN que fique atento ao governo de Macron. Políticas muito boas, que se distinguirão pela sua justeza, do ponto de vista estritamente social, e pela sua visão, do ponto de vista estritamente económico, muito esclarecedoras e definitivas, estão para acontecer, primeiro em França e depois no resto da Eurozona. "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo 14.03.2018

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/ Os norte americanos podem dizer: "Obrigado Obama", do mesmo modo que os portugueses podem dizer: "Obrigado troika".

Anónimo 14.03.2018

Hoje em dia a UE já faz transferências e concede ajudas e financiamentos aos Estados-Membros menos ricos e desenvolvidos. No futuro, com uma UE federal com um orçamento maior e mais competências políticas a nível federal, mais direitos (como mais transferências para os Estados e economias que têm menos, e mais e melhor cidadania europeia) implicarão ainda mais deveres (como reformas adequadas feitas na íntegra e de forma atempada) para cada Estado-Membro. Esses deveres, tantas vezes referidos por instituições como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE de forma quase informal e geralmente inconsequente, hoje em dia não são cumpridos. Com uma UE federal existirão meios e ferramentas para que as reformas, os deveres, avancem no seu tempo e Estados-Membros como Portugal e a Grécia não se desleixem e atrasem tanto por força dos seus políticos eleitoralistas mais irresponsáveis, dos seus sindicalistas chantagistas mais fundamentalistas e dos seus banqueiros criminosos mais extorsionários.

pub