Função Pública Costa considera extemporânea questão dos aumentos salariais da função pública em 2019

Costa considera extemporânea questão dos aumentos salariais da função pública em 2019

O primeiro-ministro considerou esta segunda-feira extemporâneo colocar agora a questão sobre aumentos da função pública em 2019 e referiu que no próximo ano continuará a política de descongelamento das carreiras.
Costa considera extemporânea questão dos aumentos salariais da função pública em 2019
Lusa
Lusa 16 de abril de 2018 às 11:12
 O primeiro-ministro considerou hoje extemporâneo colocar agora a questão sobre aumentos da função pública em 2019 e referiu que no próximo ano continuará a política de descongelamento das carreiras.

António Costa falava aos jornalistas no final da sessão de abertura do seminário dos cônsules honorários na Fundação do Oriente, em Lisboa.

"Há um bocado a mania em Portugal de se discutirem fora do tempo cada uma das matérias e este Governo respeita o princípio da negociação colectiva em geral e com a função pública em particular", reagiu o líder do executivo.

Para António Costa, a seu tempo o Governo "olhará para o orçamento do Estado" para 2019, sendo "extemporâneo colocar-se em abril de 2018" a questão de um aumento dos salários da função pública no próximo ano.

"A seu tempo haveremos de negociar o que houver a negociar relativamente 2019 e creio que em abril de 2019 é manifestamente extemporâneo estarmos neste momento a refletir sobre essa matéria. Creio que se há coisa que ninguém pode acusar este Governo é de ter tido uma atitude negativa com o funcionalismo público", disse.

De acordo com António Costa, nesta legislatura, em relação à função pública, o Governo eliminou a totalidade dos cortes de vencimentos, "salvo aos titulares de cargos políticos".

"E avançou-se também com o descongelamento das carreiras, que está este ano a ocorrer. Desde o início desta legislatura, os funcionários públicos têm aumentado o seu rendimento disponível e assim continuará para o ano, quanto mais não seja com a continuação do processo de descongelamento das carreiras", sustentou.

Em relação a eventuais outros ganhos, como aumentos de salários, o líder do executivo respondeu: "Logo veremos na altura própria".

"Não vale a pena discutir já o que na altura deve ser discutido", acrescentou.

Notícia actualizada às 14:44 com mais informação



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo Há 6 dias

Esquerda nunca mais.

comentários mais recentes
Mete os aumentos na bilha Há 6 dias

Sou fp e depois de 10 anos de avaliações de desempenho o "descongelamento" foi de 30 euros brutos em que até julho pagam só 25% desse montante, vai levar na bilha

Anónimo Há 6 dias

As palavras leva-as o vento com o significado de "o que se diz e não é escrito esquece facilmente".Mas, o papel aceita tudo.Portanto, se seguirmos esse caminho, podemos escrever mentiras, difamar, enganar, iludir.A diferença é que podemos apanhar os MENTIROSOS.Os portugueses estão fartos de TANGAS

VERGONHA E DISCRIMINAÇÃO, NEM NO FASCISMO Há 6 dias

lei de aposentação aplicada aos policias para orientar rebanhos nos dias da bola, gnr e militares a brincarem as guerras virtuais

os restantes tugas são obrigados a trabalhar ate aos 66 anos e 5 meses , ou seja, mais 12 anos

PCP A DAR "DOCES" AOS SEUS VOTANTES COM €€ DOS OUT Há 6 dias

Para o PCP - porque é o PCP q orquestra todas estas exigências e não o sindicato A ou B -, PCP, o tal Partido, que, hipocritamente, tem muita peninha dos contribuintes, é só pedir aumentos para os FP, os quais alguém pagará - não ele, PCP.
Só q esse "alguém" é o bolso de cada um de nós, cidadãos.

ver mais comentários
pub