Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Credores europeus aprovam reembolso antecipado de dois mil milhões de euros de Portugal

Os credores europeus aprovaram o reembolso antecipado de dois mil milhões de euros. Este é o primeiro pagamento antecipado que Portugal faz da parte do empréstimo que recebeu da Europa.

Miguel Baltazar/Negócios
Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 05 de Setembro de 2019 às 10:54
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...
Os credores europeus aprovaram o reembolso antecipado de dois mil milhões de euros por parte de Portugal. O Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), liderado por Klaus Regling (na foto), anunciou esta quinta-feira, 5 de setembro, que Portugal foi autorizado a fazer o reembolso antecipado que tinha sido anunciado pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

O pagamento antecipado de dois mil milhões de euros corresponde ao pagamento total de um tranche do empréstimo cuja maturidade era de agosto de 2025. Além disso, engloba também o pagamento parcial de uma tranche com maturidade de dezembro de 2025. Esse ano fica assim com um perfil de pagamentos menos intenso para o IGCP, a agência que gere a dívida pública.

"O pedido de Portugal para um pagamento antecipado do empréstimo confirma que o país tem um forte acesso aos mercados e uma posição de liquidez confortável", afirma Regling no comunicado, referindo que o crescimento económico de Portugal "mantém-se forte apesar da desaceleração da Zona Euro". Em causa está a estabilização do crescimento do PIB português no segundo trimestre ao passo que o PIB da Zona Euro travou.

"Apoio totalmente o pagamento antecipado do empréstimo na medida em que isso melhora a sustentabilidade da dívida [pública] de Portugal", afirma o presidente do MEE. O Mecanismo revela que o ministro das Finanças, Mário Centeno, entregou um pedido formal para um pagamento antecipado a 28 de junho, o qual foi agora aceite.

No final do ano passado, após vários pagamentos antecipados, Portugal concluiu o pagamento total da parte do empréstimo da troika que tinha sido financiado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), cerca de 26 mil milhões de euros. Quando autorizaram Portugal a pagar antecipadamente ao FMI, os credores europeus tinham exigido ao país que iniciasse os pagamentos à Europa entre 2020 e 2023, o que acaba por acontecer já em 2019.

No total, os credores europeus emprestaram cerca de 51 mil milhões de euros a Portugal. Com este pagamento antecipado, o Governo português consegue assim substituir dívida com juros mais altos - o custo estimado do empréstimo do MEEF é de 2,6% e o do FEEF é de 1,7% - por financiamento nos mercados a juros mais baixos numa altura em que as "yields" associadas às obrigações soberanas da Zona Euro estão em mínimos históricos. 

Segundo disse Centeno à Lusa no início de agosto, este pagamento "trará poupanças superiores a 100 milhões de euros em juros adicionais para Portugal nos próximos anos".

(Notícia atualizada às 11:30)
Ver comentários
Saber mais dívida pública dívida endividamento público mecanismo europeu de estabilidade
Outras Notícias