Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Crescimento económico na Índia acelera pela primeira vez desde 2007

O crescimento da economia, na Índia, acelerou pela primeira vez desde 2007, mostrando que o impacto da recessão global na economia asiática está a diminuir no terceiro trimestre.

Marlene Carriço marlenecarrico@negocios.pt 31 de Agosto de 2009 às 10:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O crescimento da economia, na Índia, acelerou pela primeira vez desde 2007, mostrando que o impacto da recessão global na economia asiática está a diminuir no terceiro trimestre.

O produto interno bruto expandiu-se 6,1% no último trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, depois de um aumento de 5,8% nos primeiros três meses do ano, revelou hoje a Organização Central de Estatísticas, em Nova Deli.

A Índia junta-se assim à China, Japão e Indonésia na recuperação, com os benefícios da Ásia a ultrapassarem os 950 mil milhões de dólares (mais de 664 mil milhões de euros) de estímulo ao consumo e menores custos de empréstimos.

Porém, a recuperação da Índia pode parar, com a seca a ameaçar reduzir as colheitas e impulsionar a inflação dos alimentos, tornando mais difícil para o Banco Central saber quando deve aumentar as taxas de juros.

"A monção fraca complicou a situação para o banco central", disse Saugata Bhattacharya, um economista da Axis Bank Ltd., em Bombaim, citado pela Bloomberg. “As chuvas fracas vão prejudicar o crescimento e atiçar as pressões inflacionárias", acrescentou.

Antes das chuvas começarem a escassear, o Banco Central da Índia, a 28 de Julho, divulgou uma previsão de que a economia iria crescer 6% "com um viés ascendente" no ano até 31 de Março, o ritmo mais fraco desde 2003. Ainda segundo as mesmas previsões, a inflação chegaria aos 5% até ao final do exercício.

O mesmo banco divulgou, a 27 de Agosto, o relatório anual, onde dizia que a retirada de dinheiro disponível na economia aumentaria o risco de enfraquecer os impulsos de "recuperação", enquanto o crédito barato sustentado por muito tempo "só pode aumentar a inflação no futuro".

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias