Política Cristas: É necessária uma alternativa para derrotar as esquerdas unidas

Cristas: É necessária uma alternativa para derrotar as esquerdas unidas

A presidente do CDS-PP disse hoje que para "derrotar as esquerdas unidas tem de existir a percepção clara de que há uma alternativa", acreditando que o centro direita só voltará a governar se tiver uma maioria de 116 deputados.
Cristas: É necessária uma alternativa para derrotar as esquerdas unidas
Rui Minderico/Lusa
Lusa 19 de fevereiro de 2018 às 19:10

"Em relação ao PSD, temos sempre uma posição de relacionamento com um partido que é amigo, que é parceiro, com o qual temos muitas convergências. Isso é positivo porque se queremos derrotar as esquerdas unidas tem de ser com a percepção clara de que há uma alternativa. Essa alternativa passará por CDS e PSD terem no parlamento o mínimo de 116 deputados [mais de metade]", disse a líder do CDS-PP, Assunção Cristas.

 

Assunção Cristas falava aos jornalistas a meio de uma acção de campanha nas ruas do Porto, um dia depois de ter assistido ao encerramento do congresso do PSD, o primeiro com a liderança de Rui Rio.

 

A presidente dos centristas foi questionada se acredita que existirá uma maioria de direita no próximo mandato legislativo tendo respondido que o CDS "está a trabalhar".

 

"Nós do nosso lado estamos a trabalhar. Estou a lutar há muito tempo e continuarei a lutar por isso (...). Acredito que o centro direita só voltará a governar se tiver uma maioria de 116 deputados", disse a presidente dos centristas.

 

Integrado na iniciativa "Ouvir Portugal", Assunção Cristas liderou uma arruada que passou por uma das artérias mais movimentadas do 'coração' do Porto, a rua de Santa Catarina.

 

A líder do CDS contactou com pessoas que desabafavam sobre os seus problemas, mas também faziam críticas à actuação do Governo de Pedro Passos Coelho do qual Cristas fez parte.

 

Ao longo da rua, Assunção Cristas encontrou pessoas que mostravam não a conhecer e perguntavam quem era, ao mesmo tempo que acedia a pedidos para tirar 'selfies'.

 

"Temos de pôr o país a produzir mais para que as gerações que cá ficam tenham mais oportunidades", disse a uma das pessoas que a interpelou com o apelo: "Isto está um caos. Faça alguma coisa".

 

Cristas seguiu acompanhada de algumas dezenas de apoiantes, entrava e saída das lojas onde entregava informação partidária.

 

Foi rodeada por um grupo de pessoas, tendo ouvido de uma delas: "A verdade é que não gosto de si". "Não se pode agradar a toda a gente", respondeu.

 

Já em declarações aos jornalistas, quando questionada sobre o congresso do PSD, a Assunção Cristas referiu que "o CDS tem apresentado muitos temas no parlamento", temas que viu, "e bem", disse, "destacados no congresso" dos sociais-democratas.

 

Enumerando áreas como a saúde, a coesão territorial, o apoio aos mais idosos ou a educação, a líder do CDS garantiu que o seu partido "continuará a ter uma atitude muito construtiva": "Continuaremos a apresentar projectos e a conversar com todos os partidos", concluiu, explicando que nas ruas pede às pessoas que lhe enviem cartas e emails com as suas preocupações e estejam atentas aos debates que decorrem na rede social 'facebook'.

 

Já questionada a escolha de Elina Fraga para uma das vice-presidências do PSD e depois de a ex-bastonária da Ordem dos Advogados ter sido apupada no congresso dos sociais-democratas, Assunção Cristas escusou-se a comentar.

 

"Seria uma deselegância comentar as escolhas feitas dentro de um partido que é um partido para o qual olhamos como partido amigo e parceiro neste desafio muito grande que é ter uma alternativa às esquerdas unidas. Basta olhar para o discurso de ontem [domingo] e para o trabalho que tem sido desenvolvido pelo CDS nos últimos anos para perceber que há uma convergência de ideias", concluiu.

 

Esta tarde, a agenda da líder do CDS-PP inclui uma passagem pela Maia para presidir à tomada de posse da Juventude Popular local e termina com um jantar com apoiantes em Perafita, concelho de Matosinhos.

 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Osié 20.02.2018

Sim ,estão criadas as condições para um NOVO partido .O CDS não conta ,o PPD está desfeito ,o PS /Seguro espera vingança ,o PCP está acabado e o Blok desfeito . É preciso que a JUSTIÇA que tem sido atacada pelos políticos e meteu no xadrez o Socas e banqueiros se PROTEJA .Podem ganhar as inleções

Vai dar uma volta no submarino das offehores. 20.02.2018

Com essa ladainha bem dar mais força há geringonça,o povo foi sábio votou para correr contigo e vai voltar a correr para mais longe.o povo a que manda vai trabalhar.

A geringonça foi uma dádiva de Deus.Sorte do Povo 20.02.2018

A direi-talha não tem uma ideia para o bem do povo ,só pensam no seu umbigo basta ver as patifarias que eles fazem ao País,como ex.votante do PSD não mamas mais com meu voto,vou votar geringonça são sérios.

lol 19.02.2018

Tens assinado legislação na praia por e-mail sem sequer a ler?

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub