Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cristas quer partidos a dar o exemplo se é para continuar a austeridade

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse hoje que se os partidos que apoiam o Governo querem continuar com a "austeridade à la esquerda" devem aprovar o fim da isenção do IMI para os imóveis partidários.

Isabel Santiago Henriques
Lusa 23 de Setembro de 2016 às 22:18
  • Partilhar artigo
  • 21
  • ...

Assunção Cristas falava aos jornalistas durante uma visita à Feira das Colheitas em Arouca, Aveiro, onde se cruzou com o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, e cumprimentou Herman José, quando este estava a ensaiar no palco do certame.

 

A líder do CDS-PP manifestou a convicção de que a classe média terá poucos motivos para festejar com o próximo Orçamento do Estado, que disse prolongar a austeridade, exigindo-se dos partidos o exemplo.

 

"O CDS entende que, se não há uma mudança na austeridade, então tem de haver um exemplo dado pelos próprios partidos políticos e reitero o desafio ao PS, PCP e BE, que apoiam este Governo, para que aceitem votar a proposta que o CDS vai apresentar, em sede do Orçamento do Estado, para acabar com a isenção do Imposto Municipal sobre Imóveis para os partidos políticos", disse.

 

Assunção Cristas lembrou o "aumento de impostos sobre a classe média, por exemplo nos combustíveis", e disse não esperar para o próximo ano coisa diferente", dado que o primeiro-ministro, António Costa, afirmou que será mantida a linha seguida este ano.

 

"Estamos à espera do tal aumento de impostos indirectos de que [o ministro das Finanças] Mário Centeno falava", disse.

 

Sobre os dados revelados da execução orçamental, com um défice de 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre, Cristas afirmou que "mais do que o défice interessa ver como se alcança o resultado, o que significam as cativações com a queda de investimento e a nota que se vai tendo em vários serviços, da Educação à Saúde, onde falta dinheiro".

 

"É importante que se cumpra o défice, mas é preciso ver em concreto como é que se está a cumprir esse défice. Olhamos para um crescimento que é metade do que o Governo previu, temos de perceber que vai faltar dinheiro de algum lado para coisas que são essenciais para o desenvolvimento do País", disse.

 

Assunção Cristas sublinhou que "é muito importante o défice ficar abaixo dos 3%", mas "também é importante perceber que políticas levam a esse resultado e em política fazem-se escolhas".

 

"Estas escolhas não seriam as do CDS, quando vemos o investimento parado, as exportações a diminuírem e um primeiro-ministro que entrou por um discurso que arranjou números à sua medida, para negar essa realidade que não nos trás tranquilidade quanto ao futuro da economia", concluiu.

 

 

Ver comentários
Saber mais Assunção Cristas Feira das Colheitas Luís Montenegro Herman José Orçamento do Estado
Outras Notícias