Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cultura abre processo de classificação de obras de Miró do antigo BPN

O processo de classificação e inventariação das 85 obras de Miró que se encontram na esfera pública e que o Estado quer alienar vai mesmo avançar. Uma decisão que se segue às decisões judiciais à providência interposta pelo Ministério Público.

Bloomberg
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 23 de Julho de 2014 às 16:22
  • Partilhar artigo
  • 5
  • ...

As 85 obras do pintor catalão Joan Miró herdadas do antigo BPN, cujo processo de venda tem sido polémico e com vários avanços e recuos, estão em vias de classificação. Qualquer venda ou mudança de lugar onde se encontrem tem de ser comunicada.

 

"Determino a abertura do procedimento de classificação das 72 obras de Miró pertencentes à Parvalorem, S.A., as quais, estando em vias de classificação e independentemente do desfecho do procedimento, ficarão a constar do inventário", indica o despacho assinado pelo director-geral do Património Cultural, Nuno Vassallo e Silva, com a data de 21 de Julho, de acordo com documentos a que o Negócios teve acesso.

 

O procedimento de classificação das 72 obras pertencentes à Parvalorem e as 13 sob a tutela da Parups, duas sociedades que foram constituídas para ficarem com os activos tóxicos e espólio do BPN, segue-se a um despacho do secretário de Estado da Cultura, de 18 de Julho. A confirmação oficial veio esta quarta-feira, 23 de Julho, pela secretaria de Estado da Cultura, depois de perguntas do Negócios sobre o assunto. 

 

"A abertura deste procedimento permitirá, de uma vez por todas, clarificar a matéria relativa ao conjunto de obras em causa", aponta a nota de imprensa enviada às redacções pelo gabinete de Jorge Barreto Xavier.

 

O secretário de Estado com a tutela da Cultura actuou depois das decisões judiciais no âmbito do processo cautelar interposto pelo Ministério Público para travar a venda das pinturas de Miró.Em Maio, o Ministério Público foi notificado da manutenção do decretamento provisório da providência cautelar que tinha interposto em Abril e que visava o impedimento da venda dos bens de Miró em Londres "de forma a permitir o cumprimento obrigatório dos requisitos impostos pela Lei de Bases do Património Cultural, nomeadamente a inventariação e classificação das obras".

 

Protecções especiais para as obras

 

Constando do inventário, estas obras passam a estar inseridas num "levantamento sistemático, actualizado e tendencialmente exaustivo dos bens culturais existentes a nível nacional", segundo a legislação nacional. Já a classificação é o acto que vai determinar que um dado bem tem um "inestimável valor cultural". Tanto a classificação como a inventariação dos bens culturais pretende atribuir-lhes uma "protecção legal".

 

Ainda não estando classificada – nem se sabendo se será –, a colecção de Miró encontra-se sob o enquadramento "em vias de classificação". O que lhe dá já protecções especiais como o "dever de comunicação de situações de perigo que os ameacem ou que possam afectar o seu interesse como bens culturais", "o dever de comunicação prévia da alienação" ou do "dever de comunicação da mudança de lugar dos bens ou de qualquer outra circunstância que afecte a sua posse ou a sua guarda".

 

As duas sociedades presididas por Francisco Nogueira Leite podem pronunciar-se sobre este procedimento no prazo de 15 dias úteis.

 

O Governo quer desfazer-se desta colecção de obras de Joan Miró dizendo que a sua manutenção na esfera pública "não é uma prioridade". O objectivo é vender este activo avaliado em 35 milhões de euros para abater passivo no mesmo montante.

 

"Naturalmente que o objectivo de vender as obras continua em cima da mesa mas recordo que estão pendentes várias acções em Tribunal e que uma delas impede neste momento essa venda. O processo de classificação agora lançado será analisado por nós e em tempo útil será objecto de uma resposta", aponta o presidente da Parvalorem, Francisco Nogueira Leite, em resposta a questões do Negócios.

 

As 84 pinturas e uma escultura estiveram já para ser vendidas, num leilão, em Londres, mas o processo foi bastante contestado em Portugal, muito pela forma como saíram de território nacional sem as autorizações que se consideravam essenciais, o que levou ao seu cancelamento. O segundo leição, agendado para Junho pela leiloeira Christie's, foi adiado sem data marcada. Não foi possível ainda obter uma reacção da Direcção-Geral do Património Cultural.

 

Até aqui, a Direcção-Geral sempre afirmou que não seria possível classificar a colecção de Miró presente no espólio do BPN porque as obras tinham sido importadas há menos de 10 anos, o que impedia essa classificação. Não foi possível saber porque mudou esta perspectiva.

 

 

(Notícia actualizada às 17h41 com resposta oficial de Francisco Nogueira Leite, presidente da Parvalorem)

 

Ver comentários
Saber mais Secretaria de Estado da Cultura Jorge Barreto Xavier Joan Miró BPN Parvalorem Parups
Outras Notícias