Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Custos de construção de habitação nova abrandam em Dezembro

O índice de custos de construção de habitação nova em Portugal continental registou uma variação homóloga de 3,6%, menos 0,6 pontos percentuais que o verificado em Novembro, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Negócios negocios@negocios.pt 09 de Fevereiro de 2009 às 11:03
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O índice de custos de construção de habitação nova em Portugal continental registou uma variação homóloga de 3,6%, menos 0,6 pontos percentuais que o verificado em Novembro, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Este resultado foi determinado pelo abrandamento registado na componente Materiais que contrariou a ligeira aceleração verificada na componente Mão-de-Obra.

As taxas de variação homóloga destas duas componentes fixaram-se em 3,3% e em 3,9%, respectivamente.

Por tipo de construção, as taxas de variação homóloga dos índices relativos a Apartamentos e a Moradias foram de 3,9% e de 3,2%, respectivamente, traduzindo abrandamentos em relação ao observado no mês anterior.

O índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação aumentou 3,5%, face ao mesmo mês de 2007, uma variação idêntica à registada no mês anterior.

Este comportamento resultou do ligeiro abrandamento de 0,1 pontos percentuais da componente Produtos e da aceleração de 0,2 p.p. da componente Serviços.

As taxas de variação homóloga situaram-se em 4,9% e em 2,6%, respectivamente.

Por regiões NUTS II do Continente, a estabilização da variação homóloga agregada, resultou de comportamentos diferenciados entre as regiões. As regiões Centro e Algarve mantiveram, à semelhança do índice agregado, as mesmas taxas de variação homóloga (2,5% e 0,6%, respectivamente), enquanto a região Norte registou um ligeiro decréscimo (-0,1 p.p.).

As regiões Lisboa e Vale do Tejo e Alentejo apresentaram acelerações de 0,3 p.p. e 0,4 p.p., pela mesma ordem. A região Norte foi a única a apresentar uma taxa de variação homóloga superior à média do Continente, tendo-se situado em 5,0%.



Ver comentários
Outras Notícias