Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Défice da balança comercial recua 14,4%

O défice da balança comercial diminui 14,4% em 2002, tendo a taxa de cobertura passado de 62% para 66,2% no ano passado, de acordo com os resultados definitivos do comércio internacional, hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 01 de Outubro de 2003 às 11:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O défice da balança comercial diminui 14,4% em 2002, tendo a taxa de cobertura passado de 62% para 66,2% no ano passado, de acordo com os resultados definitivos do comércio internacional, hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

«No ano de 2002 registou-se uma variação homóloga acumulada do défice da balança comercial de menos 14,4%», comunicou hoje o INE.

De acordo com o instituto oficial de estatística português, «esta diminuição foi mais intensa no âmbito do comércio com os países terceiros (onde se registou uma variação de menos 30,6%) do que no âmbito do comércio com a União Europeia (cuja variação foi de menos 6,4%)».

Entre Janeiro e Dezembro de 2002 a saída de mercadorias registou uma variação positiva de 2,8% e a entrada das mesmas uma redução de 3,7%.

Portugal expediu mais 3,1% de mercadorias no espaço europeu, de onde recebeu menos 0,1% face a 2001.

Assim, «o défice da balança comercial com a União Europeia, durante este período, diminuiu 6,4%, registando-se uma taxa de cobertura de 68,3%», quando em 2001 foi de 66,2%.

No final do ano passado o comércio intracomunitário registou um peso de 80,3% para a saída de mercadorias e de 77,9% para a entrada das mesmas.

A Espanha, a Alemanha e a França continuam a ser os principais parceiros comerciais de Portugal.

Com países terceiros as trocas comerciais registaram uma significativa alteração, que se saldou numa variação negativa de 30,6% do défice da balança comercial.

Em 2002 Portugal exportou mais 1,8% e importou menos 14,6% do resto do mundo não comunitário. A taxa de cobertura evoluiu de 49,4% em 2001 para 58,9% em 2002.

Ver comentários
Outras Notícias