Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Défice orçamental do sub-sector Estado melhora 57% em Janeiro

O défice orçamental do sub-sector Estado melhorou 57% em Janeiro deste ano, atingindo os 305,2 milhões de euros, devido à subida das receitas e queda da despesa pública total, segundo os dados publicados hoje pela Direcção Geral do Orçamento.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 15 de Fevereiro de 2002 às 16:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O défice orçamental do sub-sector Estado melhorou 57% em Janeiro deste ano, atingindo os 305,2 milhões de euros, devido à subida das receitas e queda da despesa pública total, segundo os dados publicados hoje pela Direcção Geral do Orçamento.

No mês de Janeiro de 2001 o défice orçamental ascendeu a 707,8 milhões de euros.

A receita total, excluindo activos financeiros, totalizou 2.229,2 mil milhões de euros, valor que reflecte uma variação positiva de 56,2 milhões de euros, por comparação com o valor homólogo do ano anterior.

A receita fiscal verificou um crescimento homólogo de 6%, «em sintonia com os elementos subjacentes à preparação do Orçamento do Estado para 2002», refere o relatório da DGO.

A despesa total, excluindo activos e passivos financeiros e a transferência para o Fundo de Regularização da Dívida Pública, ascendeu, no período em análise, a 2.534,4 mil milhões de euros, o que corresponde a uma diminuição de 346,2 milhões de euros em relação ao ano precedente.

A despesa corrente primária registou um crescimento de 7,5%, em linha com a previsão de crescimento de 7,3% do Ministério das Finanças.

As despesas com pessoal aumentaram 5,2% em Janeiro, contra a previsão de uma subida de 4% pelo Governo.

A DGO alerta que na análise do comportamento da conta do subsector Estado, quer a receita, quer a despesa, foram efectuados alguns ajustamentos.

Ao contrário do habitual, o ministro das Finanças Oliveira Martins não dá hoje nenhuma conferência de imprensa para analisar os números da execução orçamental.

Em 2001 o défice orçamental atingiu os 2,2% do produto interno bruto (PIB), o dobro do previsto e que mereceu de Bruxelas um «alerta prévio».

Outras Notícias