Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Draghi volta às promessas: “Faremos o que for preciso para fazer crescer a inflação”

O Banco Central Europeu (BCE) fará o que for necessário para garantir que a inflação atinge o mais rápido possível a meta de ficar próxima (mas abaixo) dos 2%, sublinhou Mario Draghi. O euro caiu de imediato.

A carregar o vídeo ...
ECB's Draghi's Inflation Pledge: 'Do What We Must'
Negócios 20 de Novembro de 2015 às 11:14
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

"Se acharmos que a actual trajectória das nossas políticas não é suficiente para atingir esse objectivo, faremos o que for preciso para fazer crescer a inflação o mais rápido possível", afirmou Draghi esta sexta-feira, 20 de Novembro, num discurso em Frankfurt, citado pela Bloomberg. "Ao fazermos a nossa avaliação dos riscos para a estabilidade dos preços, não vamos ignorar o facto de a inflação já estar baixa há algum tempo."

Actualmente, a inflação da Zona Euro está nos 0,1%, antecipando-se que poderá regressar a valores negativos, empurrada por uma economia ainda débil e preços do petróleo em níveis muito baixos. Tem havido algum debate sobre se o BCE terá de expandir o seu programa de compra de activos (quantitative easing) de 1,1 biliões de euros ou, eventualmente, aprofundar medidas como a taxa de depósitos negativa.

"Se concluirmos que o equilíbrio de riscos para o nosso objectivo de estabilidade de preços de médio prazo está distorcido em sentido descendente, actuaremos através da utilização de todos os instrumentos disponíveis dentro do nosso mandato", acrescentou o presidente do BCE. "Em concreto, consideramos que o programa de compra de activos é um instrumento poderoso e flexível, uma vez que pode ser ajustado em termos de dimensão, composição e duração para atingir uma posição política mais expansionista."

Draghi também se referiu ao potencial de uma nova mexida nas taxas de depósitos, uma solução que poderá dinamizar a transmissão da compra de activos e a velocidade de circulação das reservas bancárias.

"Uma inflação subjacente [sem bons energéticos e alimentares] fraca não algo em relação ao qual possamos estar descansados, uma vez que no passado tem sido um bom mecanismo de previsão para onde a inflação deverá estabilizar no médio prazo", explicou. "Embora os bens industriais devam ser apoiados pela depreciação do euro, um aumento da inflação dos serviços – hoje em mínimos históricos – dependerá de um crescimento nominal dos salários. Para que isso recupere, a economia tem de regressar à sua plena capacidade o mais rápido possível."

O euro cai 0,34% para 1,0697 dólares, tendo chegado a cair 0,65% pelas 8:30, hora de Lisboa, logo após o discurso de Draghi.
Ver comentários
Saber mais BCE Mario Draghi inflação estímulo meta
Outras Notícias