Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Economia portuguesa terá estagnado no terceiro trimestre

A economia portuguesa deverá ter estagnado no terceiro trimestre de 2008, agravando o quadro do trimestre anterior e penalizada pelo aprofundar da crise financeira mundial e a desaceleração económica nos principais parceiros comerciais, segundo uma sondagem realizada pela Reuters junto de economistas.

Negócios negocios@negocios.pt 13 de Novembro de 2008 às 17:56
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
A economia portuguesa deverá ter estagnado no terceiro trimestre de 2008, agravando o quadro do trimestre anterior e penalizada pelo aprofundar da crise financeira mundial e a desaceleração económica nos principais parceiros comerciais, segundo uma sondagem realizada pela Reuters junto de economistas.

As estimativas de cinco analistas para o Produto Interno Bruto (PIB) variam entre uma contracção de 0,2% e um crescimento de 0,1% no terceiro trimestre de 2008 face ao

segundo trimestre deste ano. A média das previsões aponta para um crescimento de 0,08%.

O INE vai divulgar amanhã a primeira estimativa para o PIB do terceiro trimestre.

No segundo trimestre de 2008, Portugal evitou 'por um triz' entrar em recessão técnica -- contracção do PIB em cadeia em dois trimestres consecutivos – com o PIB a crescer 0,3% contrariando a contracção de 0,2% do primeiro trimestre deste ano.

"Actualmente as previsões são difíceis de elaborar, mas neste momento esperamos que Portugal estagne - um crescimento nulo - numa base trimestral", disse à Reuters Diego Iscaro, analista da Global Insight, em Londres.

Assim, o comportamento do PIB em Portugal ainda mostrará algum 'lag' face à prevista má evolução da zona euro que, segundo uma Poll da Reuters, deverá ver o seu PIB em cadeia a contrair-se 0,2% no segundo trimestre deste ano

"Em Portugal, neste terceiro trimestre, estamos a antecipar uma nova contracção do investimento que vem desde o primeiro trimestre, uma desaceleração das exportações e um consumo privado muito moderado", disse Rui Constantino, economista do

Santander.

Ver comentários
Outras Notícias