Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Emprego em Portugal diminui na construção e nos serviços

O emprego, em Outubro, diminuiu, em termos homólogos, 7,1% na construção e 2,8% nos serviços, apesar de ter apresentado, em ambos, uma ligeira melhoria relativamente ao mês anterior, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 18 de Dezembro de 2003 às 11:31
  • Partilhar artigo
  • ...

O emprego, em Outubro, diminuiu, em termos homólogos, 7,1% na construção e 2,8% nos serviços, apesar de ter apresentado, em ambos, uma ligeira melhoria relativamente ao mês anterior, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Relativamente à construção, apesar da diminuição de 7,1%, em Outubro face ao período homólogo do ano anterior, a descida foi menos intensa do que em Setembro, onde se registou uma «taxa de variação homóloga» negativa de 8,0%, o que significa que, comparativamente ao mês anterior, o nível de emprego aumentou 1,0%.

As horas trabalhadas e as remunerações também diminuíram, em termos homólogos, neste caso 8,5% e 3,0% respectivamente. Em relação ao mês anterior, as horas trabalhadas pela empresa de construção aumentaram 5,1% e as remunerações apresentaram uma quebra de 0,7%.

Emprego nos serviços diminui 2,8%

No que diz respeito aos serviços, o emprego apresentou uma «taxa de variação homóloga negativa» de 2,8%, ainda que ligeiramente melhor face à do mês anterior, com todas as secções negativas.

Desde Maio que as secções apresentam «variações homólogas negativas», sendo de destacar «pela intensidade da diminuição», 4,1%, a de "Alojamento e restauração (restaurantes e similares) ", referiu o INE.

No entanto, face ao mês anterior, o emprego nos serviços diminuiu 0,4%.

Ao nível das remunerações, ao contrário do verificado na construção, estas aumentaram 2,2% com todas as secções a registarem aumentos.

Nas remunerações destacam-se, contudo, duas secções: a de «Transportes, armazenagem e comunicações», com uma subida de 3,5% e a de «Alojamento e restauração (restaurantes e similares), com um aumento de 2,6%.

Já nas horas trabalhadas, o volume de trabalho nos serviços diminuiu 3,6%, quando comparado com o mesmo mês do ano anterior. «A secção de "Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis, motociclos e de bens de uso pessoal e doméstico", com excepção do comércio a retalho, com uma variação homóloga negativa de 3,6%, apresentou a principal contribuição (menos 1,4 pontos percentuais) para a descida observada no índice», disse o INE.

Outras Notícias