Economia Espanha admite reduzir caudais dos rios. Decisão pode afectar Portugal

Espanha admite reduzir caudais dos rios. Decisão pode afectar Portugal

Planos especiais estão em consulta pública e prevêem deterioração da qualidade da água que possa chegar a Portugal.
Espanha admite reduzir caudais dos rios. Decisão pode afectar Portugal
Negócios 03 de março de 2018 às 13:59
Está a ser realizada, em Espanha, uma revisão dos Planos Especiais de Seca, sendo uma das hipóteses em cima da mesa a redução dos caudais mínimos e a deterioração temporária da qualidade da água em situação de seca prolongada. Cientistas acreditam que se estas decisões avançarem do lado de lá da fronteira, irão certamente afectar o território nacional, tanto ao nível da quantidade da água disponível, como à qualidade da mesma.

O objectivo é "evitar ou minimizar os efeitos negativos da seca sobre o estado das massas de água, fazendo com que as situações de deterioração temporária das massas e caudais mínimos ecológicos menos exigentes estejam associados exclusivamente a situações naturais de seca prolongada", pode ler-se no Plano Especial de Secas do Tejo, citado pelo Jornal de Notícias.

Segundo o diário, foi mesmo publicado um decreto real que define, e diferencia, seca prolongada de escassez conjuntural, baseando-se em indicadores sobre os níveis de precipitação. Segundo o novo documento, uma unidade territorial espanhola só estará em seca prolongada quando atingir o limiar de 0,30. A partir desse momento, a unidade poderá reduzir em 50% os caudais mínimos.

Ao JN, o coordenador do grupo da Quercus dedicado à água, Luís Alegre, lembra que os "planos de seca podem vir a levar a uma diminuição da quantidade e qualidade porque em Portugal" não há capacidade de monitorização de caudais. Por sua vez, o secretário de Estado do Ambiente assegura que há alguma preocupação, mas realça "o bom relacionamento e o bom nível de cumprimento em dez anos de aplicação da Convenção de Albufeira", que estabelece que Espanha é obrigada a cumprir os caudais mínimos, exceptuando se for accionado o regime de excepção para situações de seca.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado ncl 03.03.2018

A cobardia Portuguesa vai falar mais alto em nome das boas relacoes com Espanha. Da vergonha ser Portugues.

comentários mais recentes
Tereza economista 04.03.2018

Já não mandam os caudais acordados desde 2014, vejam o Douro e Tejo a 50 km de Portugal está a zero.

Anónimo 03.03.2018

E por estas e por outras que Iberia Unida nunca vai frente

nell 03.03.2018

O TEMA É por demais relevante pra ser popular merece inteligência e maioria dos portus puros é inteligente e sabe ter e exercer exegese... o resto é de pormenores desatentos da lógica matemática k evolui pra regenerações constantes de pensamentos evoluidos racionais e jamais emocionais...

Anónimo 03.03.2018

Os Catalães sabem bem quem eles são. Tem sofrido na pele e nos ossos os afrontamentos de Madrid.

ver mais comentários
pub