Economia EUA pedem a bancos de todo o mundo que actuem contra fundos "ilícitos" do Irão

EUA pedem a bancos de todo o mundo que actuem contra fundos "ilícitos" do Irão

O Governo norte-americano pediu esta quinta-feira a bancos de todo o mundo para actuarem contra a entrada de fundos "ilícitos" procedentes do Irão, país cujo acesso ao sistema financeiro foi restringido por sanções de Washington.
EUA pedem a bancos de todo o mundo que actuem contra fundos "ilícitos" do Irão
Lusa 11 de outubro de 2018 às 20:02

A Rede Contra os Crimes Financeiros (FinCEN) do Departamento do Tesouro norte-americano emitiu hoje um aviso especial para pedir às instituições financeiras que detectem transacções iranianas e informem sobre elas as autoridades dos Estados Unidos.

 

A comunicação oficial enviada aos bancos pormenoriza a "ampla gama de práticas enganosas" que a República Islâmica usa para aceder ao sistema financeiro, explicou hoje um alto responsável norte-americano numa conferência de imprensa telefónica.

 

Segundo essa fonte, o Irão tenta contornar as restrições impostas por Washington com empresas falsas, casas de câmbio e funcionários do Governo iraniano.

 

Estão também alegadamente envolvidos membros da Guarda Revolucionária, o corpo militar de maior dimensão do Irão, bem como funcionários do "mais alto nível" do Banco Central iraniano.

 

Em princípios de Novembro entrará em vigor um novo pacote de sanções dos Estados Unidos, entre as quais se incluem proibições de transacções financeiras com o Banco Central do Irão e a venda de petróleo, uma das principais fontes de divisas do país.

 

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou em Maio a saída do seu país do acordo nuclear de 2015 com o Irão e, desde então, voltou a impor progressivamente as sanções que o seu antecessor, Barack Obama, tinha levantado a Teerão em consequência desse acordo.

 

A decisão de hoje poderá afectar bancos europeus que fazem transacções com o Irão, bem como instituições do Iraque e da Turquia que têm negócios com aquele país.

 

Em Maio, o Departamento do Tesouro impôs sanções a um banco com sede no Iraque, Al Bilad Islamic Bank, por alegadamente apoiar operações do Irão com o grupo xiita libanês Hezbollah.




pub