Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ataque de Manchester: começaram as detenções

As autoridades dão conta de três homens detidos na região de Manchester. Esta manhã já tinha sido dado como certo que o autor do ataque de ontem não agira sozinho.

A carregar o vídeo ...
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...
Explosões no final de concerto de Ariana Grande
Assim que Ariana Grande terminou a sua actuação esta noite, no Manchester Arena, em Manchester, ouviram-se várias explosões e gerou-se uma onda de pânico.

Polícia dá conta de mortos e feridos

Polícia e ambulâncias acorreram ao local. Alguns media britânicos começaram por avançar que tudo faria parte do espectáculo, mas a polícia já informou que há mortos e feridos.

A estação ferroviária Victoria, de Manchester, foi evacuada e todos os comboios foram cancelados.

Suzy Mitchell, de 26 anos, que vive perto do local onde decorreu o concerto, disse à Press Association que ouviu uma forte explosão. "Vi uma multidão a fugir", comentou.

"Uma forte explosão. Foi caótico"
'Uma forte explosão. Foi caótico'

"Estávamos a sair do concerto e quando estávamos a chegar à porta deu-se uma forte explosão e toda a gente começou a gritar", declarou à agência Reuters uma das pessoas presentes, Catherine Macfarlane.

"Foi uma explosão violenta – deu para sentir o embate no nosso peito. Foi caótico. Desatou tudo a correr e a gritar, a tentar sair da zona", acrescentou.


Pânico tomou conta de quem estava na zona
Os espectadores do concerto de Ariana Grande fugiram em pânico, enquanto a polícia evacuava a zonae cortava o acesso a várias ruas. 


Minas e armadilhas no local

Chris Slater, correspondente da secção de desporto da MENnewsdesk, comentou na sua conta de Twitter que as forças de segurança "estão constantemente a aumentar a dimensão do cordão policial". "Polícias armados gritam a toda a gente que se aproxima para que se afastem", acrescentou.

De acordo com Slater, uma unidade de minas e armadilhas já chegou ao Manchester Arena. "Também consigo ouvir os cães pisteiros a serem retirados das carrinhas", disse.

Residentes e empresas da zona oferecem ajuda

No Twitter sucedem-se as ofertas de ajuda, como alojamento, por parte dos particulares que residem na zona e de empresas da área, salienta o The Telegraph.

Como já vem sendo hábito neste tipo de incidentes, as pessoas que estão fora da zona onde vivem estão a receber ofertas de alojamento, transportes e alimentação.

Facebook activa verificação de segurança

A rede social Facebook já activou, como é hábito nestes casos, a verificação de segurança. Através deste recurso, quem está ou esteve na zona pode descansar os seus familiares e amigos, confirmando que está bem, e vice-versa.

19 mortos e cerca de 50 feridos. Polícia crê ser terrorismo
A polícia da região da Grande Manchester emitiu um outro comunicado, na sua página oficial do Twitter, indicando que há a lamentar 19 mortos e cerca de 50 feridos. 

No comunicado, a polícia diz ainda que esta ocorrência está a ser tratada como um incidente terrorista.

Polícia anuncia explosão controlada
Pela 1:30 (mesma hora em Lisboa), a polícia de Manchester publicou uma nova mensagem no Twitter, anunciando que ia proceder a uma explosão controlada nos jardins da catedral e pedindo às pessoas para não ficarem preocupadas.
Ariana Grande está "ok"

Um porta-voz de Ariana Grande, citado pela Reuters, disse que a cantora norte-americana, de 23 anos, está bem.

O Manchester Arena, que é a maior sala fechada do Reino Unido, abriu em 1995 e é um local muito popular para concertos e eventos desportivos, tendo capacidade para 21.000 pessoas.

Volume suspeito eram roupas abandonadas

O volume suspeito que a polícia de Manchester eliminou por precaução, através de uma explosão controlada, não constituía um risco. Eram roupas abandonadas, informou a força policial na sua conta no Twitter.

Theresa May condena "terrível atentado terrorista" e suspende campanha

A primeira-ministra britânica, Theresa May, já condenou o "ataque terrorista terrível" que ocorreu na Arena de Manchester. "Estamos a trabalhar para estabelecer todos os detalhes do que está a ser tratado pela polícia como um terrível atentado terrorista", disse May, citada pela Lusa, manifestando o seu pesar às famílias das vítimas. 

May anunciou também, citada pelo The Telegraph, a suspensão da sua campanha pelo Partido Conservador para as eleições antecipadas de 8 de Junho. Pouco depois, todos os restantes partidos anunciaram a mesma decisão. 

Mensagens de pesar e repúdio começam a chegar

Um pouco por todo o mundo chegam mensagens de repúdio pelo ocorrido esta noite em Manchester.

Além de políticos, como o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, muitos artistas - entre cantores e actores - estão também a expressar via Twitter os seus sentimentos às famílias das vítimas e a darem força a quem viveu os momentos de terror no final do concerto de Ariana Grande.

"O Arena estava cheio de crianças"
'O Arena estava cheio de crianças'

Jane Pearson, de 46 anos, professora de inglês na escola secundária de Chadderton, foi ao concerto com a sua filha, Rachel, de 21 anos, como prenda de aniversário. Em declarações à Press Associate, citadas pelo The Telegraph, disse que a sala estava cheia de crianças.

As crianças e jovens são o público-alvo de Ariana Grande, que após o concerto tinha lançado balões cor-de-rosa sobre os espectadores.

"Só o pior tipo de pessoa é que poderia sequer pensar em fazer uma coisa destas. Muito francamente, esse tipo de pessoas merece o pior castigo que possa haver. Não consigo imaginar o que vai na cabeça destas pessoas que querem magoar crianças", acrescentou Jane Pearson.

Estados Unidos atentos e de prevenção

O Departamento norte-americano da Segurança Interna emitiu um comunicado dizendo que está a monitorar "de perto" a situação no Manchester Arena e que poderá haver um "reforço de segurança" em espaços públicos e eventos musicais nos Estados Unidos. 

Polícia de Manchester: feridos estão a ser tratados em seis hospitais
A polícia de Manchester emitiu mais um comunicado, confirmando que são 19 as vítimas mortais e que há cerca de 50 feridos - que estão a ser tratados em seis hospitais diferentes.

Reitera também que está a tratar o caso como um acto de terrorismo e avança com um número de telefone de emergência para quem não saiba do paradeiro de familiares que pudessem estar a assistir ao concerto.

Theresa May preside a reunião de emergência esta terça-feira
Theresa May preside a reunião de emergência esta terça-feira

Theresa May vai presidir a uma reunião do comité de emergência do governo ("Cobra") esta terça-feira de manhã, avançou o The Guardian citando um comunicado da residência oficial da primeira-ministra britânica, no nº 10 de Downing Street.

O comité "Cobra" (siglas de Cabinet Office Briefing Room) é composto pelos principais ministros e só é convocado quando surge uma situação grave em matéria de segurança, como é o caso.

O último comité "Cobra" reuniu-se a 22 de Março, após o ataque perpretado no Parlamento britânico e nas suas imediações - que resultou em cinco mortes.

Ariana Grande: "Não tenho palavras"
Ariana Grande: 'Não tenho palavras'

A cantora norte-americana Ariana Grande, que não ficou ferida neste seu concerto no Manchester Arena, já reagiu na sua conta de Twitter, dizendo-se destroçada e sem palavras.

Libra em queda

A libra esterlina está a perder terreno na negociação fora de horas do mercado cambial londrino, a reagir assim em baixa este ataque.

O ataque, que é o pior ataque do género em solo britânico desde os atentados de Julho de 2005 em Londres, segundo a Bloomberg, irá manter os investidores cautelosos na sessão desta terça-feira, nos mercados financeiros em geral.

A divisa britânica segue a cair 0,10% face à nota verde, a valer 1,2992 dólares.

Se for terrorismo, é o pior ataque desde 2005
Se for terrorismo, é o pior ataque desde 2005

"Se for terrorismo [as explosões ocorridas na noite de 22 de Maio em Manchester], será o ataque mais mortífero no Reino Unido desde os ataques de 7 de Julho de 2005 em Londres, em que quatro bombistas suicidas mataram 52 pessoas em três composições do metropolitano e num autocarro", sublinha o The Guardian.

Também a Bloomberg lhe chama "o pior ataque em solo britânico" desde aquela data.

Provas apontam para bombista suicida

Vários responsáveis norte-americanos que receberam os relatos das autoridades britânicas afirmaram à NBC News que as provas forenses no local – incluindo um corpo descoberto na zona da explosão – apontam para que tenha sido um bombista suicida.

A mesma fonte refere que não está ainda claro se todas as mortes terão sido provocadas pela explosão ou se poderá haver casos de pessoas que morreram durante a debandada geral do local.

Monét, que actuou na abertura do concerto, diz estar a sofrer

As actuações de abertura do concerto de Ariana Grande foram feitas pela rapper BIA e pela cantora Victoria Monét.

Monét publicou uma mensagem na sua conta de Twiter, dizendo estar "frustrada e a sofrer".

O primeiro de três concertos no Reino Unido

O concerto da noite de segunda-feira era o primeiro de três espectáculos que Ariana Grande iria dar no Reino Unido, estando os próximos agendados para os dias 25 e 26, quinta e sexta-feira, no O2 Arena de Londres.

Às primeiras horas desta terça-feira, o O2 Arena publicou um tweet dizendo que informará o mais rapidamente possível sobre a situação desses dois concertos.

Ariana Grande tem concertos agendados noutros países, nesta sua digressão pela Europa, como Portugal (em Junho), Bélgica, Polónia, Alemanha e Suíça, não se sabendo se a "tour" prosseguirá como planeado, refere a CNN.

À procura de quem ainda não chegou a casa
Começam a suceder-se os apelos, pelas redes sociais, à procura de quem ainda não regressou a casa. Há já fotos a circular, sendo pedidas informações sobre estas pessoas cujo paradeiro é desconhecido e que não atendem os seus telemóveis. 


Transportes afectados
A Autoridade dos Transportes da Grande Manchester emitiu um aviso alertando para o facto de alguns serviços de transportes estarem a ser afectados por este acontecimento.



Número de mortos sobe para 22

A polícia de Manchester actualizou a informação, com o número de mortos a elevar-se para 22 e os feridos para 59.

O chefe da polícia de Manchester, Ian Hopkings, afirmou, citado pelo The Guardian, que há crianças entre os mortos.

Atacante morreu no local
De acordo com a Reuters, que cita fontes policiais, o presumível ataque foi levado a cabo por um homem que transportava um dispositivo que detonou no local. O homem morreu na Arena de Manchester, refere a mesma fonte.  
Libra em queda ligeira e bolsas sem tendência

No mercado cambial, a libra segue com uma desvalorização ligeira face ao dólar e ao euro. A moeda britânica cede 0,09% para 1,1559 euros. E recua 0,12% para 1,2985 dólares.

Nos mercados bolsistas asiáticos, não se verifica uma tendência definida, estando as principais praças a oscilarem entre perdas e ganhos. Em Tóquio, o Nikkei recua 0,46% e o Topix desce 0,25%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng soma 0,16%. E em Xangai, o Shanghai Stock Exchange Composite cede 0,39%.

Suspensa campanha para as legislativas
Suspensa campanha para as legislativas
Depois da conservadora Theresa May, também o seu rival trabalhista Jeremy Corbyn (na foto) concordou "suspender até nova ordem" a campanha por causa do atentado, avança a Lusa citando a AP. O líder dos liberais democráticos britânicos, Tim Farron, cancelou uma visita de campanha a Gibraltar na sequência da explosão.
Macron: França vai continuar a trabalhar com o Reino Unido na luta contra o terrorismo

O presidente da França, Emmanuel Macron, numa nota do Palácio do Eliseu, citada pela Reuters, já manifestou o seu pesar pelo ataque em Manchester. E salienta que vai continuar ao lado do Reino Unido na luta contra o terrorismo.

Emmanuel Macron vai falar, por telefone, esta terça-feira com Theresa May, primeira-ministra britânica, e vai manter-se informado dos desenvolvimentos da investigação a este ataque.


Theresa May vai presidir a uma reunião do comité de emergência do governo ("Cobra") esta terça-feira de manhã, avançou o The Guardian citando um comunicado da residência oficial da primeira-ministra britânica, no nº 10 de Downing Street.

O comité "Cobra" (sigla de Cabinet Office Briefing Room) é composto pelos principais ministros e só é convocado quando surge uma situação grave em matéria de segurança, como é o caso.

Estação em Londres evacuada

A estação Victoria Coach foi evacuada, avança a BBC no Twitter. Há um cordão policial e as autoridades estão a investigar um pacote suspeito. Ruas próximas da estação estão fechadas.


@metpoliceuk Victoria: Buckingham Palace Road and other roads around the coach station are closed. [ro]
Bolsas europeias em queda ligeira
As principais praças europeias arrancaram a sessão desta terça-feira, 23 de Maio, com uma desvalorização ligeira. 

O ouro, considerado como um activo de refúgio, está a subir pela terceira sessão consecutiva. O metal amarelo ganha 0,12% para 1.262,14 dólares por onça.
Londres revê procedimentos de segurança
Londres revê procedimentos de segurança
O mayor londrino, o muçulmano Sadiq Khan, afirma que a capital britânica está ao lado de Manchester depois "ataque bárbaro e doentio" e que na sequência da explosão que matou 22 pessoas os procedimentos de segurança em Londres serão revistos e que hoje os cidadãos "verão mais polícias nas ruas."

Costa expressa solidariedade para com o povo britânico
O primeiro-ministro, António Costa, manifestou também a solidariedade portuguesa para com o povo britânico, na sequência do ataque.

"Deixo aqui um voto de pesar e a nossa solidariedade com o povo britânico, em particular com as vítimas e familiares do ataque em #Manchester", escreveu António Costa na sua conta do Twitter, numa mensagem repetida em inglês minutos depois, avança a Lusa.
Não há indicações de portugueses entre as vítimas
De acordo com a TVI24, que cita fonte da Secretaria de Estado das Comunidades, não há neste momento indicações de portugueses entre as vítimas do ataque que matou 22 pessoas e fez 59 feridos, de acordo com o balanço mais recente. 
Juncker manifesta solidariedade com Londres
Juncker manifesta solidariedade com Londres
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já manifestou solidariedade com o ainda Estado-membro da União Europeia.

"As minhas condolências ao Governo e ao povo britânico. Hoje choramos convosco," escreveu no Twitter.

Trump diz que ataque foi levado a cabo por "falhados"

As reacções à explosão em Manchester sucedem-se. Donald Trump já enviou as suas condolências às vítimas e adiantou que as pessoas que estão por detrás deste ataque são "falhados do mal", escreve a Reuters. Envio as "minhas profundas condolências àqueles que ficaram feriados, aos falecidos e as suas famílias, deste ataque terrorista", disse. "Demasiados jovens, pessoas bonitas e inocentes que estavam a desfrutar da vida foram mortas pelos falhados do mal".

Também Israel já se pronunciou publicamente. O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, condenou "com veemência" o ataque em solo britânico. "O governo israelita condenou com veemência o terrível atentado de Manchester", diz Netanyahu através de um comunicado citado pela Lusa.

Tsipras, primeiro-ministro da Grécia, condenou o "atroz ataque terrorista" em Manchester e expressou a solidariedade e apoio aos familiares das vítimas. "Estamos ao seu lado", disse Tsipras, numa mensagem difundida através da sua conta oficial no Twitter citada pela agência espanhola EFE. O ministério dos Negócios Estrangeiros grego já tinha manifestado solidariedade em termos idênticos, depois do ataque ocorrido na segunda-feira à noite na Arena de Manchester - após um concerto de Ariana Grande - e que provocou pelo menos 22 mortos e 59 feridos.

E o ministério iraniano dos Negócios Estrangeiros condenou o atentado de Manchester, apelando à unidade dos países vítimas do extremismo e que isso resulte numa luta "séria e sincera" contra o terrorismo, escreve a Lusa. O governo iraniano sustentou ainda, através de um comunicado citado pela agência Efe, que o "terrorismo apenas será erradicado com uma resolução firme e com a criação de um mecanismo sem dualidade de critérios".

UEFA garante que final da Liga Europa se disputa como previsto

A final da Liga Europa de futebol, marcada para quarta-feira, entre Manchester United e Ajax, vai disputar-se como o previsto, garantiu a UEFA, escreve a Lusa. A UEFA assegura, em comunicado citado pela agência, que "até ao momento não há informações específicas que indiciem que qualquer das actividades previstas para a final da Liga Europa possam ser alvo de ataques".

"A UEFA trabalhou intensamente com as autoridades locais e a Federação Sueca de Futebol durante vários meses e o risco de ataques terroristas foi tomado em conta desde o início. Além disso, várias medidas de segurança adicionais foram colocadas em prática após os atentados de Estocolmo [em abril]", referiu o organismo.

Mesmo assim, "devido às fortes medidas de segurança"", a UEFA recomenda aos adeptos que se encaminhem para o estádio Friends Arena, em Solna, Suécia, "o mais cedo possível", em virtude do esquema de segurança montado em torno do recinto.

Presidente da República consternado com "bárbaro" ataque

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já fez saber que está a "acompanhar com grande consternação o bárbaro atentado" de segunda-feira em Manchester.

Numa mensagem enviada à rainha de Inglaterra, Marcelo Rebelo de Sousa manifestou a sua solidariedade "em nome do povo português, em particular para com as famílias das vítimas", escreve a Lusa.

Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda, nessa mensagem, a importância de uma "Europa unida no combate ao terrorismo e à defesa constante e permanente dos valores da democracia, da promoção da paz e do respeito pelos direitos humanos".

 

May condena "aterradora cobardia" de visar crianças e jovens
A primeira-ministra britânica, Theresa May, condenou hoje o atentado no final de um concerto em Manchester como uma "aterradora cobardia doentia" por visar jovens e crianças.

Sublinhando que "todos os ataques terroristas são devastadores", May considerou que este se destaca "pela aterradora cobardia doente de quem visa crianças e jovens", disse May numa declaração ao país em Londres.
Centro comercial de Manchester evacuado

Um centro comercial em Manchester foi evacuado, depois de várias testemunhas terem afirmado que ouviram uma explosão.

Uma testemunha disse à Reuters que dezenas de pessoas fugiram do centro. "Há pessoas a sair de mãos dadas", afirmou um fotógrafo da agência noticiosa.

A polícia já confirmou estar a investigar um incidente no centro comercial Arndale.

Detido suspeito de 23 anos
A polícia britânica anunciou a detenção de um homem de 23 anos, que estará ligado ao ataque suicida de ontem à noite.

"Confirmamos que detivemos um homem de 23 anos no Sul de Manchester," disse a polícia da Grande Manchester, citada pela Reuters. 
Daesh reivindica autoria do ataque

O auto-denominado Estado Islâmico (Daesh) reivindicou esta terça-feira a autoria do ataque que matou 22 pessoas e feriu 59 ontem à noite em Manchester, no final de um concerto de Ariana Grande.

A Reuters avança a notícia citando um comunicado da organização terrorista. "Um dos soldados do Califado conseguiu colocar um dispositivo explosivo num encontro dos Cruzados na cidade de Manchester," refere a declaração.

Explosão controlada em edifício
A polícia da Grande Manchester diz ter levado a cabo uma explosão controlada numa habitação no distrito de Fallowfield, naquela cidade britânica, relacionada com a investigação anti-terrorista em curso. 
Uma criança morta e 12 feridas
Há uma criança entre as vítimas mortais dos ataques -  uma menina de oito anos, Saffie Rose Roussos -, de acordo com as autoridades. O balanço aponta para que, entre os 59 feridos até ao momento, haja também 12 menores de idade, disse David Ratcliffe, director clínico do serviço de ambulâncias North West Ambulance Service, ao The Guardian.
MNE português lamenta ataque "inacreditavelmente bárbaro"
MNE português lamenta ataque 'inacreditavelmente bárbaro'

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, condenou o atentado que classificou como "inacreditavelmente bárbaro", e reiterou que é preciso vencer a luta contra o terrorismo.

O chefe da diplomacia portuguesa confirmou, em declarações à Lusa, que as autoridades portuguesas ainda não têm qualquer informação sobre portugueses entre as vítimas do atentado.

"Trata-se de um atentado terrorista, que já foi reivindicado pelo Daesh. É um atentado bárbaro, inacreditavelmente bárbaro, porque o público-alvo são crianças e adolescentes, em festa, num espectáculo musical", referiu Santos Silva, que falava à Lusa antes de intervir num almoço de empresários organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola.

O ministro comentou que "o terrorismo não conhece limites", com "actos que são particularmente cobardes, que não respeitam absolutamente nenhuma regra".

Os terroristas "escolhem as circunstâncias em que podem causar mais danos, escolhem as vítimas mais inocentes, têm uma particular pulsão em querer atacar aquilo que é essencialmente o nosso modo de vida", considerou. 

Secretário-geral da ONU condena "fortemente" ataque
O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou hoje "fortemente o terrível ataque" que ocorreu em Manchester, na noite de segunda-feira, durante um concerto da cantora Ariana Grande, informou o seu porta-voz.

António Guterres enviou os seus "profundos pêsames e solidariedade ao povo e ao Governo do Reino Unido", indicou a mesma fonte em comunicado. O secretário-geral da ONU manifesta ainda o desejo de que os autores do que considera uma "violência injustificável" sejam levados à justiça com rapidez.
Salman Abedi será o autor do ataque
Depois de o Daesh ter reclamado a autoria do atentado de ontem à noite em Manchester, a imprensa britânica avança que Salman Abedi, de 22 anos, será o autor do ataque que matou 22 pessoas e feriu 59.

Segundo o Telegraph, Abedi nasceu em Manchester em 1994, sendo o segundo de quatro filhos de um casal de refugiados líbios que emigraram para o Reino Unido em fuga ao regime de Muammar Kadhafi.

Os pais de Abedi residem nos últimos dez anos na zona de Fallowfield, depois de terem vivido perto de Londres.
Terrorismo preocupa portugueses que estavam perto do ataque
O atentado em Manchester de terça-feira à noite colocou portugueses que vivem na cidade mais preocupados e assustados com a questão do terrorismo.

"Sinceramente nunca pensei que isto fosse acontecer em Manchester. Porque não é a cidade principal de Inglaterra, nunca tinha acontecido coisa igual e neste momento estou um bocado preocupado", admitiu José Matias à agência Lusa.

Além de viver a cerca de 500 metros da sala de concertos Arena de Manchester, também estava a trabalhar num hotel próximo, de onde se recorda de ouvir um "boom".
Um terrorista é um louco sem religião nem pátria
Um terrorista é um louco sem religião nem pátria
O imã da Mesquita de Lisboa disse hoje que um terrorista é um louco, sem religião nem pátria e que o Islão não ensina estes comportamentos, mas sim a conviver e a respeitar os outros.

O xeque David Munir falava à agência Lusa a propósito do recente atentado na cidade de Manchester, Reino Unido, reivindicado pelos extremistas do Estado Islâmico.

"A minha religião não ensina isso. A minha religião ensina a conviver com os outros, a respeitar os outros", disse.
Parlamento português aprova por unanimidade voto de condenação e pesar
A Assembleia da República aprovou hoje, por unanimidade, um voto de condenação e pesar pelo atentado em Manchester, salientando que o dever das sociedades abertas "é prevenir e combater sem hesitações este tipo de atos".

"Se a juventude é vida e liberdade, o terror é morte e cobardia (...). Quando a morte sai à rua, a rua levanta-se em nome da liberdade!", lê-se no texto proposto pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e apoiado por todas as bancadas.

O primeiro-ministro, António Costa, e parte do Governo, presentes no parlamento devido ao debate quinzenal, associaram-se ao voto cumprindo também de pé um minuto de silêncio.

De acordo com fonte do gabinete de Ferro Rodrigues, o presidente da Assembleia da República propôs hoje de manhã na abertura do Parlamento Jovem o mesmo voto de pesar e 450 crianças de todo o país respeitaram, de pé, o minuto de silêncio pelas vítimas de Manchester.
Milhares de pessoas numa vigília de homenagem às vítimas
Milhares de pessoas numa vigília de homenagem às vítimas

Vários milhares de pessoas concentraram-se em Manchester, numa vigília de solidariedade com as vítimas do atentado.

A "vigília de paz" reuniu representantes de várias religiões e membros das autoridades locais para recordar as vítimas, sublinha a Lusa.

Alerta máximo no Reino Unido. May fala em ataque terrorista iminente
Alerta máximo no Reino Unido. May fala em ataque terrorista iminente

O nível de alerta no Reino Unido foi elevado para "crítico", que é o patamar de alerta mais elevado.

É o Centro de Análise Conjunta do Terrorismo que estabelece os níveis de alerta e "crítico" significa que se espera um ataque a qualquer momento - receio também expressado pela primeira-ministra, Theresa May.

Mau, que falava na sua residência oficial em Londres, no nº 10 de Downing Street, declarou que a ameaça terrorista está agora no nível máximo e que "pode estar iminente outro ataque".

"Concluiu-se, com base nas investigações de hoje, que o nível de ameaça deve ser aumentado", disse May.

A primeira-ministra acrescentou que houve um reforço o número de militares que estão a fazer a segurança a eventos desportivos e concertos.

Já por duas vezes que o Reino Unido teve este alerta máximo, recorda o The Guardian. A primeira foi em 2006, depois de ser exposto um plano para fazer explodir aviões sobre o Atlântico. A segunda vez foi no ano seguinte, em resposta a uma conspiração que visava atacar um bar londrino.

Nova reunião de emergência na quarta-feira

Theresa May vai presidir a uma reunião do comité de emergência do governo ("Cobra") na quarta-feira pelas 09:30 (mesma hora em Lisboa), segundo comunicado oficial citado pelo The Guardian.

O comité "Cobra" (siglas de Cabinet Office Briefing Room) é composto pelos principais ministros e só é convocado quando surge uma situação grave em matéria de segurança, como é o caso – tendo havido uma primeira reunião esta terça-feira de manhã.

Soldados substituirão polícias em "locais-chave" do Reino Unido
Soldados substituirão polícias em 'locais-chave' do Reino Unido

Além do reforço da segurança em concertos e eventos desportivos, a primeira-ministra britânica anunciou que soldados passarão a patrulhar locais-chave no Reino Unido.

Theresa May disse que o "ataque cobarde e insensível" de segunda-feira em Manchester justifica o reforço das medidas de segurança definido pelo governo.

Assim, polícias serão substituídos por militares sob orientação policial em "locais-chave" do país, permitindo "à polícia aumentar significativamente o número de agentes armados em patrulha", afirmou, citada pela Lusa.

Scotland Yard suspeita de grupo vasto envolvido no ataque

Mark Rowley, comissário adjunto da Scotland Yard, afirmou que existem suspeitas de que um grupo mais vasto possa ter estado envolvido no ataque em Manchester, tendo sido isso que levou à decisão de elevar o nível de ameaça.

"A população quererá que a polícia faça todos os possíveis para evitar novos ataques e para a manter a salvo. Estamos assim a flexibilizar os nossos recursos para aumentar a presença policial em determinados locais, como nos transportes e outros lugares com muitas pessoas, e estamos também a avaliar os eventos mais importantes que estão agendados para as próximas semanas", declarou Rowley, citado pelo The Guardian.

"Os terroristas nunca ganharão"
'Os terroristas nunca ganharão'

"Enquanto choramos as vítimas do terrível ataque de ontem à noite, mantemo-nos desafiantes. O espírito de Manchester e o espírito dos britânicos é, de longo, superior a conspirações doentias de terroristas depravados", sublinhou Theresa May na sua comunicação ao final do dia.

"E é por isso", resumiu a primeira-ministra, "que os terroristas nunca ganharão e nós iremos prevalecer".

Continue a acompanhar-nos em negocios.pt
O Negócios termina aqui o acompanhamento ao minuto deste ataque em Manchester, cujo balanço mais actualizado aponta para 22 vítimas mortais e 59 feridos. 

Continue a seguir-nos em negocios.pt 
Autor "provavelmente não agiu sozinho"
O autor do atentado suicida em Manchester, Salman Abedi, "provavelmente não agiu sozinho", disse esta quarta-feira a ministra do Interior britânica, Amber Rudd.

Rudd, segundo a Lusa, disse que o autor era "conhecido" dos serviços secretos e observou que o ataque foi "mais sofisticado do que outros".
Militares substituem polícias em locais-chave no Reino Unido
A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou segundo a Lusa que os militares vão passar a patrulhar locais-chave no Reino Unido, substituindo polícias, permitindo aumentar significativamente o número de agentes armados em patrulha.
Três homens detidos em Manchester
A polícia da Grande Manchester anunciou a detenção de três homens na sequência da execução de mandados de captura ligados à investigação sobre o ataque de segunda-feira à noite, avança a Reuters.

Já ontem tinha sido detido um outro homem, de 22 anos, alegadamente ligado ao caso.
Visitas ao Parlamento em Londres interrompidas
Visitas ao Parlamento em Londres interrompidas
Com o aumento do nível de segurança antecipando um ataque iminente no Reino Unido, depois da explosão de segunda-feira à noite em Manchester, as visitas do público ao Parlamento em Londres estão interrompidas por tempo indefinido.

O palácio de Westminster ficará fechado a todos os que não sejam portadores de livre-trânsito e todos os eventos e visitas serão cancelados.

Assim que terminou o concerto de Ariana Grande, no Manchester Arena, ouviram-se explosões e gerou-se uma onda de pânico. Polícia e ambulâncias acorreram ao local. Alguns media britânicos começaram por avançar que tudo faria parte do espectáculo, mas a polícia já informou que há mortos e feridos.

 

A estação ferroviária Victoria, de Manchester, foi evacuada e todos os comboios foram cancelados.

 

Suzy Mitchell, de 26 anos, que vive perto do local onde decorreu o concerto, disse à Press Association que ouviu uma forte explosão. "Vi uma multidão a fugir", comentou.




(notícia em actualização)

Ver comentários
Saber mais Manchester Arena Ariana Grande
Mais lidas
Outras Notícias