Saúde Farmácias e laboratórios vão vender testes do VIH e hepatites

Farmácias e laboratórios vão vender testes do VIH e hepatites

O Governo justifica o alargamento da possibilidade de rastreio, sem necessidade de receita médica, a estes estabelecimentos, "dado o seu carácter de proximidade e serem detentores da confiança dos cidadãos".
Farmácias e laboratórios vão vender testes do VIH e hepatites
Correio da Manhã
António Larguesa 12 de março de 2018 às 09:31

As farmácias comunitárias e os laboratórios de patologia e de análises clínicas vão começar a vender testes rápidos ("point of care") de rastreio de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) e hepatites B e C, sem necessidade de prescrição médica.

 

Segundo o jornal Público, que noticia esta alteração feita pelo Governo em "defesa do interesse público", os preços ainda não estão definidos – essa decisão caberá ao Infarmed –, mas o custo deste tipo de dispositivos em Espanha varia entre 25 e 30 euros.

 

Num diploma publicado em Diário da República esta segunda-feira, 12 de Março, o Ministério da Saúde justifica que as farmácias e os laboratórios "são parceiros fundamentais dos serviços de saúde, dado o seu carácter de proximidade e serem detentores da confiança dos cidadãos", podendo a sua colaboração "constituir um factor relevante para o sucesso da resposta" pública.

 

Com esta medida, o Executivo pretende melhorar a acessibilidade na detecção precoce da infecção VIH e hepatites virais, pois até agora o diagnóstico só podia ser realizado nos centros de saúde e nos hospitais, nos centros de aconselhamento de detecção precoce (CAD), nos centros de respostas integradas para os comportamentos aditivos e dependências (CRI), nos centros de diagnóstico pneumológico (CDP) e nas organizações de base comunitária.

 

As autoridades estimam que cerca de 10% dos portugueses infectados por VIH não se encontrem diagnosticados, sendo este "um importante problema de saúde pública na Europa e em Portugal". Por outro lado, a Organização Mundial da Saúde estima que a nível europeu mais de 13 milhões de pessoas vivam com infecção crónica por vírus da hepatite B e mais de 15 milhões com infecção crónica por vírus da hepatite C.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 12.03.2018

"testes do VIH" só os verdadeiros idiotas irão desperdiçar dinheiro em testes da treta! Começa pelo simples facto de que não existem "teste do VIH", mas enfim... Escravos boçais têm de servir para alguma coisa.

Mais vale irem ao cinema...

pub