Mundo Finlândia é o país mais feliz do mundo

Finlândia é o país mais feliz do mundo

A Finlândia ocupa o primeiro lugar do ranking de 2018 das Nações Unidas sobre os países mais felizes do mundo.
Ville Mannikko Tomm W. Christiansen Linus Hook Paul Taggart Gianluca Colla reuters Brendon O'Hagan Casper Hedberg Brendon Thorne
Raquel Murgeira 14 de março de 2018 às 13:38

Entre os 156 países avaliados pelo relatório de 2018 das Nações Unidas sobre os países mais felizes do mundo é a Finlândia que se destaca. O país nórdico subiu do quinto lugar, no ano passado, para o primeiro em 2018, destronando a Noruega que detinha o título de país mais feliz do mundo em 2017. 

O relatório, divulgado esta quarta-feira, 14 de Março, coloca a República do Burundi, um pequeno país africano, no fundo da tabela. Já Portugal aparece no 77.º lugar com 5.410 pontos. Em 2017, Portugal situava-se no 89.ºlugar com 5.195 pontos. 

A pesquisa teve como base as pontuações acumuladas de cada país relativamente a dados como o PIB, apoios sociais, expectativa de uma vida saudável, liberdade social, generosidade e ausência de corrupção.

A preencher os 10 primeiros lugares da tabela dos países mais felizes do mundo estão, além da Finlândia, a Noruega (7.594 pontos), a Dinamarca (7.555 pontos), a Islândia (7.495 pontos), a Suíça (7.487 pontos), a Holanda (7.441 pontos), o Canadá (7.328 pontos), a Nova Zelândia (7.324 pontos), a Suécia (7.314 pontos) e a Austrália (7.272 pontos).

O relatório revelou ainda que os americanos estão a tornar-se cada vez mais infelizes, à medida que o país se torna mais rico. Os Estados Unidos da América ocupam o 18º lugar com 6.886 pontos, tendo descido assim da 14ª posição que ocupavam no ano passado. A seguir aos EUA está o Reino Unido, em 19º lugar com 6.814 pontos, e os Emirados Árabes Unidos em 20º lugar com 6.774 pontos.

"Obviamente existe uma crise social nos Estados Unidos: mais desigualdade e menos confiança no governo", afirma o líder do U.N. Sustainable Development Solutions Network, Jeffrey Sachs, à Reuters, acrescentando que "os sinais não são bons para os EUA, está cada vez mais rico e rico, mas não está a sentir-se mais feliz".

Pela primeira vez desde o início da realização deste relatório, em 2012, foi classificada a felicidade dos imigrantes que nasceram em 117 dos países considerados. 

Nesta análise, a Finlândia obteve os melhores resultados, enquanto a Síria ocupa o último lugar, devido à guerra civil que ainda assola o país.  

 




pub