Impostos Fisco recebeu 3.300 pedidos de adesão às novas regras de IVA nas importações

Fisco recebeu 3.300 pedidos de adesão às novas regras de IVA nas importações

A partir desta quinta-feira, 1 de Março, as empresas deixam de ser obrigadas a pagar IVA no momento do desalfandegamento das mercadorias que importam de fora da União Europeia. O regime, de adesão voluntária, conta com 3.300 empresas.
Fisco recebeu 3.300 pedidos de adesão às novas regras de IVA nas importações
Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 01 de março de 2018 às 19:43
A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) recebeu cerca de 3.300 pedidos de adesão para aplicação do novo regime de IVA, que permite às empresas migrarem do IVA alfandegário para um sistema de autoliquidação, anunciou esta quinta-feira, 1 de Março, o Ministério das Finanças em comunicado.

O regime de pagamento do IVA devido nas importações através da declaração periódica entrou hoje em vigor para todas as mercadorias importadas em Portugal.

A medida está prevista na Lei do Orçamento do Estado para 2017 e permite evitar a antecipação do pagamento do imposto (ou prestar uma garantia), nos casos em que o mesmo seria subsequentemente dedutível, e até eventualmente reembolsado pelo Estado, explica o Ministério de Mário Centeno.

A medida arrancou em 1 de setembro de 2017, num período transitório, inicialmente limitado a determinadas matérias-primas, tendo, na altura, cerca de 500 operadores aderido ao regime. A partir desta quinta-feira, o novo regime é alargado a todas as importações extra-comunitárias, para aquelas empresas que submeteram os pedidos até dia 15 de Fevereiro.

Esta é uma medida que os operadores económicos vinham reclamando há vários anos, e que se espera que tenha externalidades positivas para o resto da economia.

O Governo estima que, em termos de liquidez, sejam "poupados" cerca de 200 milhões de euros às empresas.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub