Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Frente Comum diz não perceber posição do líder da UGT sobre greve na função pública

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, disse hoje não perceber por que é que o líder da UGT, Carlos Silva, afirmou ter ficado surpreendido com o anúncio de uma greve na função pública.

Lusa 21 de Maio de 2013 às 11:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

"Surpreendo-me que Carlos Silva [líder da UGT] tenha essa reacção. A autonomia dos sindicatos é a primeira coisa a respeitar e as organizações que representam sindicatos também. Os projectos sindicais são diferentes e ninguém tem nada a ver com isso, nem eu tenho com a UGT nem Carlos Silva tem a ver com os projectos da CGTP", disse Ana Avoila aos jornalistas no final de um encontro de cerca de cinco minutos, com o secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino.

 

Na segunda-feira, o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, revelou ter ficado surpreendido com o anúncio de greve na função pública feito pela Frente Comum, afecta à CGTP, considerando que as acções de luta deviam ser concertadas pelas duas centrais sindicais.

 

"Se Carlos Silva ficou surpreendido não percebo porquê, porque a autonomia dos sindicatos tem de ser respeitada e se a UGT quiser vir, em convergência, acompanhar a Frente Comum, assim o fará", afirmou a coordenadora da estrutura sindical.

 

Acrescentou ainda que a Frente Comum irá traçar "metas de luta" e que depois se verá "se é possível que a UGT acompanhe os sindicatos nessa greve ou não".

 

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública deverá anunciar no sábado uma greve para o sector a concretizar em meados de Junho, contra as novas medidas de austeridade que vão penalizar os funcionários públicos.

 

"Está decidido que vamos ter um dia de luta geral na função pública em Junho, uma greve cuja data ainda não está definida, mas que é provável que eu a anuncie na manifestação de sábado, em Belém", disse à Lusa Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum, na segunda-feira.

 

Segundo a sindicalista estão em discussão três datas possíveis, mas o mais provável é que seja no final da primeira quinzena de Junho ou no início da segunda.

Ver comentários
Saber mais Frente Comum UGT greve na função pública
Mais lidas
Outras Notícias