Mundo Governo britânico diz que envenenar ex-espião foi acto "desenvergonhado"

Governo britânico diz que envenenar ex-espião foi acto "desenvergonhado"

As vítimas envenenadas por um agente nervoso estão estáveis mas continuam em estado crítico.
Governo britânico diz que envenenar ex-espião foi acto "desenvergonhado"
Negócios 08 de março de 2018 às 13:19

A secretária de Estado para os Assuntos Internos, Amber Rudd, diz que o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e a filha, Yulia foi um acto "desavergonhado" e "imprudente". Segundo a governante, as vítimas envenenadas por um agente nervoso estão estáveis mas continuam em estado crítico. 

Para Rudd, que está a falar na Câmara dos Comuns, este foi "um acto desavergonhado e imprudente". "Foi uma cruel tentativa de homicídio", afirmou, segundo a Sábado. O ex-espião tinha sido condenado em Moscovo por ter revelado o nome de vários espiões russos ao serviço de espionagem britânico, mas foi libertado numa troca com espiões russos detidos nos Estados Unidos.

A governante revela ainda que a equipa de contra-terrorismo tomou conta da investigação. Análises forenses confirmaram que foi usado um agente nervoso contra Skripal e a filho, apesar dos seguranças hospitalizados terem sido expostos a um agente diferente. As autoridades estão a tratar o caso como uma "tentativa de homicídio".

Recorde-se que as relações diplomáticas entre Londres e Moscovo sofreram um novo abalo depois de, no passado domingo, um ex-espião russo e a sua filha terem sido encontrados envenenados em Salisbury, no Sul de Inglaterra. Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados inanimados num banco de jardim e as autoridades confirmam agora que foram envenenados por uma substância tóxica que ainda não conseguiram identificar.