Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo decreta três dias de luto nacional e funeral com honras de Estado

António Costa comunicou estas decisões do seu executivo na capital da Índia, em Nova Deli, onde realiza até quinta-feira uma visita de Estado.

2005 - Mário Soares apresenta a sua candidatura às eleições presidenciais de 2006
Vítor Mota/Correio da Manhã 
Negócios 07 de Janeiro de 2017 às 17:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 28
  • ...

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje que o Governo decretou três dias de luto nacional, a partir de segunda-feira, pela morte do antigo Presidente da República Mário Soares e funeral com honras de Estado.

António Costa comunicou estas decisões do seu executivo na capital da Índia, em Nova Deli, onde realiza até quinta-feira uma visita de Estado.

O antigo Presidente da República Mário Soares morreu hoje aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde se encontrava internado desde o dia 13 de dezembro.

 

A última vez que tinha sido decretado luto nacional foi em abril do ano passado, quando o executivo (então PSD/CDS-PP) decretou dois dias de luto nacional pela morte do cineasta Manoel de Oliveira, que morreu a 02 de abril de 2015 aos 106 anos, no Porto.

 

Antes, tinha sido decretado luto nacional em 2014, em duas ocasiões: em março, um dia de luto nacional pela morte do cardeal José Policarpo e em janeiro, três dias de luto nacional pela morte do antigo futebolista Eusébio.

 

A fadista Amália, que morreu em outubro 1999, teve um funeral organizado pelo Estado e três dias de luto nacional.

 

Em 1980, a morte do então primeiro-ministro e ministro da Defesa, Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, quando o avião que os transportava se despenhou em Camarate, motivou um decreto de cinco dias de luto nacional.

 

Já as mortes do marechal António Spínola, em 1996, e do marechal Costa Gomes, em 2001, que exerceram as funções de Presidente da República durante o Estado Novo, resultaram em dois dias de luto nacional cada.

 

Segundo a lei, o Governo declara o luto nacional, a sua duração e âmbito, sob a forma de decreto, sendo declarado obrigatoriamente pelo falecimento do Presidente da República, do presidente da Assembleia da República e do primeiro-ministro e ainda dos antigos presidentes da República.

 

"O luto nacional é ainda declarado pelo falecimento de personalidade, ou ocorrência de evento, de excecional relevância", de acordo com a Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português (n.º 40/2006).

 

Enquanto é observado o luto nacional, a bandeira nacional é colocada a meia haste durante o número de dias que tiver sido definido. Quando a bandeira nacional está colocada a meia haste, qualquer outra bandeira que com ela seja desfraldada será hasteada da mesma forma.

Ver comentários
Saber mais António Costa Governo Presidente da República Mário Soares Nova Deli Hospital da Cruz Vermelha
Outras Notícias