Finanças Públicas Governo quer bater recorde europeu de redução da dívida

Governo quer bater recorde europeu de redução da dívida

A trajectória de redução da dívida prevista no Programa de Estabilidade, a concretizar-se, colocaria Portugal ao nível dos resultados da Bélgica no anos 90, escreve o Público. A Bélgica é o exemplo que é sempre dado para retratar os bons métodos de consolidação orçamental.
Governo quer bater recorde europeu de redução da dívida
Miguel A. Lopes/Lusa
Negócios 16 de abril de 2018 às 09:21

Se Portugal conseguir cumprir o que está no Programa de Estabilidade em matéria de redução da dívida pública, isso colocará o país no papel de novo grande exemplo europeu de redução da dívida sem ter de recorrer a qualquer reestruturação. As contas são do jornal Público que, na sua edição desta segunda-feira, 16 de Abril, conclui que, se se concretizarem as previsões do Executivo, então Portugal consegue não só imitar como até superar o exemplo de redução acelerada da dívida dado pela Bélgica no final dos anos 1990.

 

Depois de, em 2016, se ter atingido um máximo de 130,1% no rácio da dívida pública no PIB, o Governo estima agora que o ritmo de descida para 125,7% registado em 2017 se mantenha nos anos que aí vêm. Assim sendo, em 2022 estaríamos nos 102%, uma descida de 28,1 pontos percentuais que, segundo o Público, seria um novo máximo registado pelos membros da zona euro, num período idêntico de seis anos.

 

Até agora, o exemplo que se continua a destacar é o da Bélgica, que, apenas com medidas de consolidação orçamental, reduziu drasticamente a sua dívida em poucos anos.

 

O Programa de Estabilidade foi entregue esta sexta-feira no Parlamento e, entre várias previsões, o Governo aponta para um défice de 0,7% durante 2018, revendo em baixa as previsões inscritas no Orçamento do Estado (1%) e posteriormente revistas em alta (para 1,1%), na sequência das apresentação do pacote de medidas contra os incêndios.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo Há 6 dias

O Estado de Bem Estar-Social só é sustentável se existirem regras e mercados laborais flexíveis juntamente com um mercado de capitais que não seja constantemente distorcido e atacado pelas próprias leis em vigor. Os Nórdicos descobriram isso há muito tempo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

A caminho do Parlamento Europeu eu vou eu vou.De tanga eu vou deixar estes parvalhões, eu vou, eu vou. Quero lá saber se vão estragar todos os cortes, eu vou, eu vou. E quando derem por isso, estou como o Durão Barroso, a caminho da Goldman Sachs, eu estou, eu estou. Que grandesTANGAS eu dou,eu dou!

Anónimo Há 6 dias

Mas como podem comparar as finanças da Bélgica com Portugal? Por acaso sabem qual é o ordenado mínimo na Bélgica em 2017? 1562,59 Euros; 1999 era 1074,44 Euros. E em Portugal? 557 Euros em 2017. Quase tanto como a Bélgica tinha em 1999! Não se pode comparar o que não é comparável! Tantas TANGAS!!!

Anónimo Há 6 dias

Continuem a sonhar, Não vai acontecer.

Anónimo Há 6 dias

Continuem a sonhar, Não vai acontecer.

ver mais comentários
pub