Saúde Governo quer travar descontos superiores a 3% nas farmácias

Governo quer travar descontos superiores a 3% nas farmácias

Adalberto Campos Fernandes tem um despacho preparado para limitar os descontos sobre a parte não comparticipada dos medicamentos. As farmácias aplaudem, mas a Autoridade da Concorrência já deu parecer negativo.
Governo quer travar descontos superiores a 3% nas farmácias
Correio da Manhã
Negócios 19 de fevereiro de 2018 às 09:30

O Ministério da Saúde tem preparado um projecto de despacho em que prevê que o desconto nos medicamentos não pode ser superior a 3%, incidindo esse abatimento exclusivamente sobre a parte não comparticipada dos fármacos.

 

Em resposta ao grupo parlamentar do PCP, que questionou a tutela sobre a desregulamentação dos descontos praticados pelas farmácias, o Ministério sustentou que a "situação económica do sector das farmácias em Portugal é, publica e manifestamente, débil e com elevado risco de sustentabilidade", o que afecta "negativamente o acesso dos cidadãos a medicamentos e ameaça a capilaridade e distribuição equitativa da rede de farmácias por todo o país".

 

Noticiada pelo Público esta segunda-feira, 19 de Fevereiro, a resposta do organismo liderado por Adalberto Campos Fernandes lembra que "poucos países permitem descontos da farmácia ao utente" no caso dos medicamentos comparticipados. E cita ainda um estudo da Universidade de Aveiro que aponta, em média, para um desconto comercial de 3,5% concedido pelos grossistas às farmácias.

 

Segundo os dados divulgados em Janeiro pela Associação Nacional de Farmácias, "a crise agudizou-se em 2017, estando agora 630 farmácias num universo de 2.943 em situação económica difícil", ou seja com processos de insolvência ou penhoras. A presidente desta associação, Manuela Pacheco, defende a regulamentação destes descontos, que tem levado a "uma guerra desleal entre farmácias".

 

No entanto, escreve o mesmo jornal citando a resposta do Governo enviada à Assembleia da República, a Autoridade da Concorrência já recomendou que não seja implementado este limite aos descontos nos medicamentos. Este parecer desfavorável assenta no fundamento de que deve ser preservado "o grau de concorrência actualmente existente", sendo ele "indispensável a uma afectação eficiente de recursos e ao bem-estar dos consumidores".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 20.02.2018

É difícil entender que a concorrência seja a quintessência de um mercado em que todos os preços estão regulados ex-ante, a oferta é limitada por patentes, a procura seja agenciada e exista um monopsónio do co-pagador

fernandolucas 19.02.2018

É difícil de entender que a sustentabilidade de um setor, que distribui a retalho medicamentos, dependa de restrições à concorrência, para mais, quando se sabe que existe no setor algum poder oligopolístico.

pub